GABINETE DE IMPRENSA

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

A Crew Hassan apresenta Mazarin

A agenda da Crew Hassan, espaço cultural no Intendente, prima pelos sons efervescentes. No próximo dia 16 de Março, sábado, não é excepção — os Mazarin são cabeças-de-cartaz num alinhamento que também conta com João Melgueira, mr_mute e Farinha + Ribeiro.

BadBadNotGood, Hiatus Kaiyote, Orelha Negra, Bruno Pernadas, Roger Plexico: qualquer padrão não é mera coincidência, num punhado de artistas que nobremente enveredam no jazz pela via do hip hop e da soul. Poderá faltar pouco para vermos inserido nesta série o nome dos Mazarin, banda que media o diálogo não só entre Lisboa e Beja, mas o Hot Clube e a pista de dança.

Depois de um frenético 2018 que os levou ao Festival F, ao FNAC Live e ao Zigurfest, o grupo continua a apresentar o seu EP homónimo (disponível no Bandcamp), munido de um novo teclista. “A entrada do Léo Vrillaud [em substituição de Afonso Serro] possibilitou a continuação da mesma energia, estética e estímulo criativo da banda”, diz o baixista João Spencer ao Rimas e Batidas, garantindo que os Mazarin se mantêm alerta ao “novo jazz” que desagua dos Estados Unidos da América e do Reino Unido. Para ver a banda — recentemente confirmada no Festival Impulso — basta esperar pelas 22 horas.

É um desafio que depende apenas da vontade de dançar. Se retrocedermos na programação, deparamo-nos com um viajante do mundo — e da música. João Melgueira, co-fundador da editora Alienação, traz ouro de Nova Iorque, Chicago ou das ilhas Baleares à matiné que terá “house, eclectismo e suor”. Às 18 horas, directamente da equipa do Rimas e Batidas, Farinha + Ribeiro continuam a festa e, depois, passam o testemunho a um dos grandes clássicos do panorama português. Estamos a falar de mr_mute, cuja experiência com os pratos começou em 1998. Na tarde e noite do próximo dia 16 de Março, a dançar se caminha para o jazz e o hip hop.