A tranquilidade negra chegou da Suécia, no dia em que os Crisix arrasaram o Laurus Nobilis Music 2018 – Dia 3

1492

Depois de dois dias de descarga de muita energia, o terceiro e último dia do LAURUS NOBILIS MUSIC 2018, prometia mais um dia de muita música e confraternização entre os amantes do Heavy Metal.

Texto: Rui M. Teixeira | Fotografia: Mário Monteiro

Uma palavra de respeito para as bandas que passaram pelo palco secundário, Legacy of Cynthia, Low Torque, Revolution Within e The Godiva, estes ao final da noite. A entrega e profissionalismo de todas, foram a imagem que deixaram em todos os presentes fazendo do palco secundário um local de partilha de boas energias e irmandade metaleira.

A noite no palco principal trouxe-nos os The Temple, banda já veterana nestas andanças e que com o seu hardcore poderoso tomou de imediato de assalto o Laurus Nobilis Music. A resposta do público foi em crescendo, acompanhando sempre as musicas com muito headbanging. Destaque para os temas “Millionaire”, “Violent World” e “War Dance” que fizeram levantar muita poeira. Belo começo de noite, de uma banda não muito conhecida a nível nacional mas que detém um reconhecimento assinalável além-fronteiras.

The Temple – galeria completa AQUI

Para quem foi observando ao longo dos dias, era notório que havia neste festival uma grande quantidade de apreciadores do thrash metal, sendo portanto esperada com grande expectativa a entrada da banda seguinte. Vieram da Catalunha os Crisix e o que dizer desta atuação? Simplesmente magnífica, arriscando-me a dizer que foi a melhor do Laurus Nobilis Music 2018. Percorreram vários dos seus álbuns debitando o seu thrash metal a um  ritmo alucinante, “Rise…Then Rest” , “Frieza the Tyrant”, “Leave Your God Behind”, ”Get Out of my Head” foram algumas das que fizeram do recinto uma permanente mosh pit e crowdsurfing. Antes do obrigatório encore, os elementos da banda trocaram todos de instrumentos e presentearam os presentes com um mix de covers, onde se puderam ouvir Beastie Boys, Pantera, Rage Against the Machine e Metallica num grande momento deste concerto. Para finalizar em apoteose a faixa que era pedida pelo publico desde o inicio e que é a imagem da banda, “Ultra Thrash”, e foi a loucura total com os 2 guitarristas e o vocalista da banda a tocarem e cantarem no meio do publico, enquanto se formava um circle pit gigante. Tal como a banda afirmou e inclusive já o colocou nas suas redes sociais, este foi o seu melhor e mais poderoso concerto em Portugal, e de facto foi.

Crisix – galeria completa AQUI

Depois da explosão dos catalães Crisix o ritmo iria baixar um pouco com a entrada em palco dos Tarantula. Esta banda que é uma verdadeira instituição do heavy metal em Portugal, apresentou um setlist dedicado a alguns dos êxitos da sua longa carreira. “Highway to Glory”, “Empire of Shadows”, “The Lost Crown”, “At the End of the Rainbow”, “Touch the Sky” e “Face the Mirror” foram algumas das que tivemos o prazer de ouvir, transformando este concerto quase que um concerto de celebração. Como sempre, os irmãos Luís e Paulo Barros demonstraram o seu virtuosismo na bateria e guitarra. A ovação obtida na despedida, revelou o grande respeito que todos os apreciadores deste género musical têm pelos Tarantula.

Tarantula – galeria completa AQUI

E finalmente os cabeças de cartaz vindos da Suécia, os enormes Dark Tranquility. Um dos principais representantes do Gothic Death Metal muito característico dos países do norte da Europa, esta banda tem em Portugal uma vasta legião de fãs. Com uma produção de som e imagem brutais o concerto foi irrepreensível. Ouviram-se faixas dos seus álbuns mais recentes como “The Treason Wall”, “The science of Noise”, “Final Resistance” e “Lost to Apathy”, bem como um regresso ao passado com “The Mundane and the Magic”. Quase hora e mia de atuação que deixou os fãs com um sorriso de satisfação. A despedida foi feita ao som de “Miserys Crown” com Mikael Stanne junto às grades a ser abraçado pelo publico. A banda fez questão de realçar o carinho que tem por Portugal e a prometer que regressarão muito em breve. Cá os aguardamos.

Dark Tranquility – galeria completa AQUI

E assim termina o Laururs Nobilis Music 2018: muito heavy metal, muita confraternização, muito boa organização. Que continue a crescer, até 2019.