Alice Phoebe Lou, “Glow”

SUSPEITO - PEDRO BRÁS MARQUES
Um belo disco, cheio de suaves, melancólicas e introspectivas canções, usando a música como expiação em vez do divã do psicólogo.

Nascida na África do Sul, cidadã do mundo, Alice Phoebe Lou estacionou em Berlim, onde o seu processo criativo continua a germinar canções atrás de canções. Aos 27 anos, “Glow” é o seu terceiro disco, se não contarmos EPs e registos ao vivo. Acabou de sair, ainda e sempre por conta própria, sem recurso a editoras e gravado num sistema analógico.

Alice Phoebe Lou | Glow | 2021

Na apresentação do disco, Alice foi bastante clara: é um disco de canções de amor, em que cada composição expressa a sua vontade de dizer algo, de se libertar, porque retratam o seu arco vivencial desde a alegria da paixão até à desilusão do fim da relação. Por isso, diz, as músicas e as letras brotaram livremente, sublinhando essa necessidade de “to blow off steam”… Porque é preciso “morrer” para poder “renascer”, como mostra a foto da capa, com a autora de “Paper Castles” em posição fetal.

No melhor estilo crooner, Alice começa com “Only When I”, serenamente afirmando “You didn’t teach me, I taught myself through you / You didn’t heal me, but I healed from the things that you do”. Ou seja, acha que atravessou o deserto emocional e emergiu mais sapiente, atingindo a Luz, a que chama de “Glow”: “I am smiling, I am screaming, I am glowing from inside / Do I dare to feel this feeling?”. Mas a verdade é que esta calma esconde indefinição e dor. Por vezes, Alice parece afirmar que a experiência amorosa não foi em vão, muito pelo contrário, porque aprendeu que dois podem ser um: “the world don’t matter / When we’re looking at each other” (“Dusk”). Já em “Drive by”, conclui que “Oh the loss of you, the loss of you / Will haunt me through and through”. Pois é, no amor, nada é preto e branco e as feridas dos ressentimentos custam a sarar. Daí a necessidade de alerta: “Don’t touch me, don’t even look at me / I’ve got laser beams coming out my eyes” (“Dirty Mouth”). Tem calma, rapariga, que há mais marés do que marinheiros.

Um belo disco, cheio de suaves, melancólicas e introspectivas canções, usando a música como expiação em vez do divã do psicólogo. Para descobrir o brilho de “Glow”, seria perfeito escutá-lo ao vivo. E a verdade é que estão agendados concertos em Lisboa e Guimarães para o final do próximo mês de Outubro, assim consigamos sair deste buraco para onde caímos, juntamente com esta Alice

Pedro Brás Marques

ÁREA SUSPEITA by
SUSpeitos+mr+november-6

Dry Cleaning, “New Long Leg”

“New Long Leg” é um belíssimo disco de estreia para a “machine” desta Florence e posiciona-se para ser uma das estrelas de 2021.”

Village Underground Lisboa abre Academia de Música Urbana

> Skoola vai funcionar nos contentores, autocarros e sala de eventos do Village Underground, em Alcântara, a partir de 19 de Abril, todos os dias entre as 17h e as 20h;
> Modelo diferenciado de educação não-formal, onde o jovem participante é o construtor do seu próprio conhecimento;
> Skoola garante bolsas para os alunos que não possam pagar os Ciclos ou Bootcamps em que queiram participar.

Loja do Artista ajuda sector da Cultura

A LOJA DO ARTISTA é uma loja online que foi criada em tempo de confinamento e que visa essencialmente ser uma ajuda concreta para todos os trabalhadores da cultura – artistas, técnicos, autores e demais profissionais das artes e espetáculos.

NOTÍCIAS SUSPEITAS

Terceiro INDIECASSOM na Veep Radio

Julien Baker, Jay-Jay Johansson, Arab Strap, Flyying Colours, Alice Phoebe Lou, Cave & Ellis, entre muitos outros no novo Indiecassom, apresentado pelo Pedro Brás Marques.

HEYPORTO VIBES na Hey Porto

‘HeyPorto Vibes’ é a coluna assinada pelo Suspeito Pedro Taveira em parceria com o jornal HeyPorto.
Saiu agora o 6° episódio.

AS 50 SUSPEITAS de Manuela Hora de Carvalho

Aflige-me o silêncio, demasiado silêncio, por isso não entendo o tempo e o espaço sem música. A música que nos situa nos momentos e nos conta os espaços, com sons, com ritmo, com tempo.

AS 50 SUSPEITAS de Paulo Barreto

Pegar na peça em bruto e desmontar, desconstruir, dissecar, baralhar e voltar a dar… Apreciar cada detalhe, cada beat, cada riff, cada loop, cada kick…

AS 50 SUSPEITAS de Paula Daniel

KALEIDOSCÓPIO. Olá suspeitos, Não sei se vou conseguir escrever na mesma afinação do João Barbosa, mas vou tentar explicar a importância que a música tem

Menu

Bem-Vindo(a)!