Loading...
CONCERTOSDESTAQUES

Asphyx levam o seu Death Metal ao Warm Up do Vagos Metal Fest

Asphyx

Texto: Mário Rodrigues
Fotografias: Diana Fernandes

Os holandeses Asphyx visitaram a capital portuguesa para encabeçar o ótimo cartaz, de um Warm Up do Vagos Metal Fest, do qual fizeram parte também os nacionais The Omnious Circle e Besta.

Aos Besta coube a responsabilidade de iniciar as hostilidades. Paulo Rui, atual vocalista da banda, deu aos boas-vindas ao ritual da besta para depois, juntamente com os seus companheiros, apresentar meia hora de pura devastação sonora fruto do seu grind/crust de alto nível. Foram tocadas todas as músicas praticamente sem paragens ou tempo para respirar e aplaudir, num espetáculo em que foi visível a entrega total de todos os músicos, contrastando com alguma apatia por parte de grande parte dos presentes, que iam compondo o RCA Club, durante este concerto.

O Death Metal obscuro dos The Ominous Circle foi o prato que se seguiu na ementa da noite. Este quinteto cujos músicos tocam de caras tapadas, mantendo uma certa aura de mistério é, para quem não sabe, constituído por A.C. (Holocausto Canibal, Colosso), Z.P. (Holocausto Canibal, Grunt, Dementia 13), M.S. (Pitch Black, Dementia 13, Biolence), M.A. (Colosso, W.A.K.O., Sullen) e S.L. dos (Legacy of Brutality). Um autêntico super-projeto português que mostrou a sua interessante sonoridade no RCA , que se revelou digna de aplausos e boas reações.

Para o final ficou guardado o espetáculo da banda de Martin van Drunen. Os Asphyx são uma das grandes bandas do Death Metal europeu e neste concerto fizeram jus ao seu nome. O seu Death Metal com momentos Doom foi apresentado com toda a convicção pelos músicos que acompanham atualmente o vocalista de guturais característicos, conhecido também por ter pertencido a bandas como Pestilence e Hail of Bullets. Van Drunen mostrou que as suas capacidades como cantor de Death Metal continuam intactas e deu gosto ouvi-lo vociferar clássicos como “M.S. Bismarck”, “Wasteland of Terror”, “The Rack” e “Last One on Earth” bem como temas mais recentes mas igualmente marcantes como “Death the Brutal Way”, “Deathhammer”, “Scorbutics” e “We Doom You to Death”. O público correspondeu à boa atuação com muito headbanging, aplaudindo e mesmo gritando o nome da banda, em algumas ocasiões, em sinal de aprovação. Está provado que enquanto houver Martin van Drunen, os Asphyx continuarão bem vivos e a realizar bom Metal da morte.

Esta foi uma excelente noite de concertos que servem de aperitivo para um Vagos Metal Fest que irá, com toda a certeza, continuar numa senda de sucesso e crescimento.