Pedro Coquenão tem criado e desenvolvido trabalho com música, dança, rádio, artes visuais e plásticas sob o nome de Batida. Foi agora convidado pela Beating Heart a revisitar a maior coleção de gravações de campo do mundo, feitas no continente africano por Hugh Tracey, entre as décadas de 1920 e 1970, nomeadamente a parte angolana do arquivo.

Desde 2016, a Beating Heart tem vindo a trabalhar com a Biblioteca Internacional de Música Africana (ILAM), sediada em Grahamstown, África do Sul, com o objectivo de manter vivas essas memórias e apresentá-las à próxima geração. Estas gravações de campo já foram reimaginadas por artistas influentes como Goldie, Rudimental ou Auntie Flo, através de uma série de lançamentos remisturados e originais.

Agora será a vez de Batida se dedicar ao arquivo, focando-se nas gravações feitas em Angola. A esse próximo capítulo, que terá continuidade em Fevereiro de 2020, Pedro Coquenão deu o nome de IKOQWE.