Cause and Effect de Keane no Coliseu do Porto

Uma legião de fãs transversal a pais e filhos ficou com a certeza que os Keane estão para durar.
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Os Keane voltaram ao norte de Portugal depois de uma apresentação preliminar do álbum Cause and Effect no festival Meo Marés Vivas de 2019. A digressão europeia de promoção teve início em Bruxelas, e chegou ao Porto a 25 de Janeiro de 2020 e a Lisboa no dia seguinte.

A primeira parte ficou a cargo de Eliza Shaddad, uma cantautora sudano-escocesa da nova geração, admirada pelos Keane, e que arrebatou o publico com o seu set, a sua voz e a sua guitarra. Visitou algumas musicas do álbum “Future”, como “This is my Cue” e “Just Goes to Show”, apresentou a mais recente “Girls”, e finalizou com as boas memórias de “Waters”.

© Teresa Mesquita

Cause and Effect é o quinto álbum dos Keane desde a sua estreia com Hopes and Fears (2004), sucedendo ao interregno de 7 anos depois de Strangeland (2012) e a 2 álbuns a solo do vocalista Tom Chaplin. Mas “Cause and Effect” é mais do que um álbum de regresso: revela uma maturidade sem perda de identidade musical, e refle as vivências do letrista principal da banda, Tim Rice-Oxley.

O concerto começou cheio de energia, com “You’re Not Home”, o tema de abertura de “Cause and Effect”, prosseguindo para “Day will Come” e “Silenced by the Night”. O regresso ao novo álbum deu-se com I’m Not Leaving. “Everybody’s Changing” and “Is it any wonder?” serviram de preparação para “Strange Room” com as luzinhas dos telemóveis a iluminarem toda a sala.

© Teresa Mesquita

O alinhamento emocional percorreu “Disconnected”, “Bend and Break”, “Stupid Things”, “She Has no Time”, “Phases” and “Spiralling”. O álbum “Under the Iron Sea” foi representado por “Nothing in My Way”, e o álbum “Strangeland” por “You are Young”, com o refrão cantado até à exaustão pelo público, e Tom a reagir com «you´re melting my heart» e a oferta de “The Way I Feel”.

Não faltaram “A Bad Dream”, “This is The Last Time”, “Love too Much” e “Bedshaped”. O encerramento ficou a cargo de “Somewhere Only we Know“. Um alinhamento de 22 canções que fizeram a delícia do recinto.

© Teresa Mesquita

O primeiro encore previa 3 temas adicionais, mas acabou por ser ampliado com o bónus de “Hamburg Song” a pedido do público. Para o segundo encore ficaram “Chase the Night Away”, “Crystal Ball” e “Sovereign Light Café”.

Foi uma noite de partilha entre público e a banda, com as gargantas bem afinadas e letras bem sabidas, que passou em revista as canções mais icónicas intercaladas com as do novo álbum. Uma legião de fãs transversal a pais e filhos ficou com a certeza que os Keane estão para durar.

KeaneGaleria Completa

OUTRAS NOTÍCIAS

Colaboradores

Acesso restrito aos Colaboradores da imagem do Som