Clarice Falcão estreou-se no The Famous Fest - Imagem do Som
18903
post-template-default,single,single-post,postid-18903,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,footer_responsive_adv,qode-theme-ver-11.2,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.2.1,vc_responsive
 

Clarice Falcão estreou-se no The Famous Fest

Clarice Falcão realizou o seu primeiro espetáculo em Portugal e foi conquistando o The Famous Fest a cada música…

Entre cocktails e boa disposição, o público do festival The Famous Fest aguardava pelo primeiro nome do cartaz. Clarice Falcão era a primeira a atuar, curiosamente sendo aquela também a primeira vez que a ex-Porta dos Fundos cantava em Portugal. Os bilhetes já estavam esgotados há alguns dias e por isso foi notória a pequenez da sala para tamanha imensidão de pessoas para ver Clarice.

O lema de The Famous Fest centrava-se no mote “espera o inesperado” e Clarice levou esse slogan à letra, apostando num concerto mais intimista para uma os cerca de 500 espectadores que encheram uma antiga fábrica da LX Factory.

Entrada em palco juntamente com o guitarrista João Erbetta, a cantora começou pelos temas “Eu gosto de você” e “Irónico”, recebendo no final das conhecidas canções uma enorme ovação. Ainda um pouco envergonhada, Clarice Falcão não perdeu tempo e lançou o “inesperado”: revelou os seus dotes na percussão, ao tocar um pouco de bateria no tema “Eu esqueci você”. No final, Clarice disse, em tom de brincadeira, que o seu talento escondido era tocar percussão.

Aliás as letras bem humoradas  foram sempre um trunfo para as risadas do público entre versos dos mais variados temas. Já com a plateia completamente contagiada pela sua música (mas também pela sua beleza natural!), Clarice entrou em músicas menos conhecidos dos seus dois álbuns “Monomania” e “Problema Meu“. Mas não foi de todo um problema! O público foi entrando na onda melancólico-sarcástica e a cantora brasileira foi perdendo o nervosismo e ganhando coragem para fazer alguns momentos humorísticos entre músicas.

Clarice Falcão também aproveitou para juntar ao seu repertório dois temas de língua inglesa. “Survivor”, original das Destiny’s Child, banda que a brasileira ser uma das preferidas na sua infância e que muitas vezes cantou no karaoke, e “Fred Astaire“, uma melodia com tons de Chuck BerryYou Never Can Tell (a música icónica do filme Pulp Fiction).

De todos os loucos do mundo” e “Oitavo andar” também não foram esquecidos e originaram um excelente feedback do público. Na canção “Eu me lembro”, que Clarice canta ocasionalmente com o cantor brasileiro Silva, desta vez foi o guitarrista Erbetta a interpretar a voz masculina da música. Grande momento do guitarrista que não se intimidou perante a plateia.

No fim, uma grande ovação de pé e a prova que Clarice não é só uma menina bonita no Brasil. No nosso país também é um sucesso e numa próxima oportunidade, merece uma sala com a dimensão do seu talento.