Texto: Alexandra Fonseca
Fotografias: Miguel Lemos

Dengaz & The Haya Band estiveram sexta-feira no coliseu do Porto a celebrar o Hip-Hop juntamente com outros artistas de relevância nacional como Richie Campbell e Agir. Neste palco foi possível conectar o Hip-Hop com outros estilos musicais como Reggae, Samba e fado.

Dengaz, oriundo da grande zona de Lisboa (Cascais), iniciou a sua carreira musical aos 14 anos com um grupo de amigos, os Dinastia. Em 2010, a solo, começou a dar nas vistas com o lançamento do primeiro álbum Skill Respeito & Humildade. Mais recentemente, com o álbum AHYA, tornou-se um dos nomes de referência do Hip Hop e Rap nacional do momento.

“Coliseu do Porto tamos juntos…” – Foi assim que Dengaz saudou ontem o público portuense que preenchia mais de metade do Coliseu do Porto. Juntamente com um instrumental de 12 elementos desde vocais, violinos, saxofone, bateria e guitarras elétricas – Dengaz iniciou o espetáculo com os temas “Donde eu Vim/Ahya Fam” e “Tamos Juntos”.

Os portuenses recebem o artista de braços abertos ou, melhor dizendo, com “a mão no ar” ao qual Dengaz responde “É a nossa primeira vez aqui no Porto…muito obrigado pelo amor!”
O primeiro dueto da noite inicia-se com Matay, pertencente às vozes da banda, com “Tudo Muda” e “Rainha”: o primeiro grande momento da noite com o público a cantar em uníssono. Dengaz encantado: “Está a ser uma grande noite, passámos por muito para chegar aqui”.

Plutónio foi o primeiro convidado da noite. Segundo Dengaz, este irá encher um Coliseu daqui a dois anos, juntos interpretaram “O que é que tem?”.

“A primeira vez que eu pisei o palco foi com este Senhor, um aplauso para Ritchie Campbell” palavras comovidas de Dengaz ao apresentar o terceiro dueto da noite. A mistura entre Hip-Hop e Reggae fez-se sentir através do tema “From the Heart”. Antes de abandonar o palco, Ritchie Campbell presenteou o público com “Do You Know Wrong”, o tema fez as delícias do público Portuense.

“Quem tem um sonho na vida põe a no ar!” – O público responde a Dengaz com entusiamo e inicia-se o terceiro momento alto da noite com a entrada de Agir que, juntamente com o Rapper, interpretou “Eu consigo” e “Encontrei”. Apresentações para quê, Agir, uma das grandes referências do momento, deixou o público em êxtase.

“Este tema foi para mim o mais difícil de escrever porque retrata alguém em depressão” palavras de Dengaz ao fazer a quebra de um momento de euforia para introduzir o tema “Homem sem alma”. O Coliseu foi, neste tema, invadido pelo som do trompete e de um poderoso instrumental, um dos momentos mais tocantes da noite.

O cenário é alterado para um sofá no palco, um candeeiro e um globo dando um ar mais intimista ao Coliseu. Fez um grande elogio a todos os pais e homenageia a filha com a música “Para sempre” com a participação (gravada) do artista Seu Jorge. Tornando-se assim num momento muito carinhoso e familiar. “Um aplauso para vocês, está lindo!”.
De seguida junta-se ao sofá Tatanka, um dos últimos convidados da noite, que juntamente com Dengaz e a tocar guitarra elétrica, cantou “Super Homem”, tema dedicado a um amigo que está preso e não pode ver os filhões crescer.

O último dueto da noite “ Em casa” é interpretado com Di Noise, a voz feminina e poderosíssima da banda de Haya.

O António Zambujo não pode estar presente mas quis deixar uma mensagem em vídeo ao artista, foi este o mote para o tema “Nada errado”. Um dos temas atuais mais conhecido e cantado pelo público com grande entusiasmo.

“People foi um prazer, podem fazer barulho” – Palavras de Dengaz  ao despedir-se do palco. Mas o público nortenho pediu mais e Dengaz e Haya Band regressaram novamente com uma música nova e um dos seus grandes sucessos: “Dizer que não”. O público entrou em êxtase e todo o Coliseu se levantou.

Rendido ao Porto, agradece ao público: “Eu sou o Dengaz, esta é a minha banda e vocês são a minha família do Porto”.

O concerto tornou-se mais do que um concerto de Hip Hop. Foi uma reunião de amigos que nos brindaram com um grande espetáculo de música nacional.

idsnamusica44444444