E o Coliseu do Porto voltou a esgotar para ouvir Mariza

186
© Igor de Aboim

O início da tour da fadista teve início na invicta e tem como objetivo a apresentação do sétimo álbum de estúdio, “ Mariza “.

Ainda estou sem palavras para descrever o que vi, o que senti. Foi único, mágico, grandioso, diria até sobrenatural. A voz de Mariza não é deste mundo! Sempre que cantou, o silêncio da sala do Coliseu só era cortado pelos aplausos do público ou pelo acompanhamento das letras por parte do mesmo.

Continuo sem palavras e sem saber o que escrever. Só me vem à mente as palavras de Camões, em “Os Lusíadas”, quando se propõe cantar os feitos de um povo que é tão corajoso e destemido que é comparável aos Deuses da antiguidade clássica. Mariza é destemida, tem garra, também ela equiparável aos Deuses do Olimpo!

© Igor de Aboim

Os temas cantados, todos nós os conhecemos sobejamente, destaco “Oração”, um novo tema, com letra da cantora, uma estreia nesse campo. Para além dos novos temas, a fadista cantou “O Tempo Não Pára“; “Rosa Branca“; “Chuva“; “Ó Gente Da Minha Terra“; “Melhor De Mim”, temas que foram sempre acompanhados pelo público e que o levou ao delírio.

Foi, por assim dizer, somente o concerto da minha vida: chorei de comovida que fiquei, mas não fui a única. Cantei, fiquei arrepiada, dancei e aplaudi muito. Sai do Coliseu feliz, comovida, grata e orgulhosa. Orgulhosa do meu país, da minha língua, de poder fazer parte de uma geração que continua a assistir às excelentes pessoas que continuam a levar longe o português, seja na música, no desporto, na literatura.

Mariza, és única!

© Igor de Aboim

Mariza – galeria completa AQUI

28 de março de 1970. Porto. Licenciada, Pré-Bolonha, em Línguas e Literaturas Modernas, Variante de Estudos Portugueses e Franceses e Mestrado, Pré-Bolonha, em Linguística Portuguesa pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Professora de português e francês do 3.º ciclo e ensino secundário. Apaixonada pela vida, livros, música, cinema e teatro.