GABINETE DE IMPRENSA

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

FÁBIA REBORDÃO JUNTA-SE A MÁRCIA DIA 13 DE JULHO NO EDP FADO CAFE

O EDP Fado Cafe, o palco do NOS Alive que se orgulha de receber os mais consagrados nomes do Fado, bem como outros artistas com fortes relações com este género musical único, acaba de confirmar Fábia Rebordão, considerada uma das vozes de referência do fado novo. A fadista junta-se à já anunciada Márcia, no último dia do festival, 13 de julho.

Aos 15 anos, apaixona-se pelo fado, pela voz de Amália Rodrigues, de quem ainda é prima, e começa a cantar profissionalmente nas casas típicas de alfama, como a Taverna do Embuçado, Clube de Fado, entre outras.

Embora o fado seja a grande matriz da sua paixão pela música, as suas influências musicais são diversas e vão da soul, à bossa nova, à morna, do blues ao jazz. ​É esta versatilidade que leva Fábia a participar na segunda edição da “Operação Triunfo”, da qual é uma das finalistas e onde o seu nome se torna conhecido do grande público.

Em 2011 lança o seu disco de estreia produzido pelo cantor/compositor/produtor Jorge Fernando, que conta com a participação de Lura, cantora cabo-verdiana, e com a Fadista Celeste Rodrigues. O disco de estreia levou-a a imensos palcos, entre eles a emblemática sala nova iorquina “Carnegie Hall” e foi ainda convidada de Mariza para atuar em dois grandes espetáculos em Belgrado e Budapeste.

Em 2012 é distinguida pela fundação Amália com o prémio Revelação Amália Rodrigues e o Jornal Expresso considera-a uma das 50 personalidades revelação do ano.

​Entre palcos nacionais e internacionais, o ano de 2016 foi o regresso de Fábia Rebordão aos discos. A produção do novo álbum de inéditos foi assinado mais uma vez por Jorge Fernando, mas com New Max e Hugo Novo. Para além de composições da própria artista, tem a colaboração de Rui Veloso, Jorge Fernando, Dino d’Santiago, Tozé Brito e Pedro da Silva Martins na autoria dos temas. Um disco que tem a alma de fado, mas que congrega as diferentes referências musicais da artista, numa identidade sonora muito própria.

Agora, Fábia Rebordão prepara-se para gravar um novo disco de originais, que deixa antever um novo marco na história do fado.

O Palco EDP Fado Cafe, o sétimo palco do NOS Alive, nasceu na 10.ª edição, na Rua EDP, uma zona renovada do recinto com cenografia tradicional portuguesa. Este mais recente palco tem dado provas de ser um verdadeiro sucesso, fortemente aplaudido pelo público e imprensa nacional e internacional. A requalificação desta rua com 150 metros de comprimento, eminentemente inspirada na traça pombalina, volta a albergar vários elementos da cultura portuguesa, entre eles a recriação do Museu da Eletricidade e do MAAT, dois verdadeiros ícones da cidade de Lisboa. Nesta zona vive o Palco EDP Fado Cafe, dois espaços centrais de ativação da EDP, e ainda várias zonas comerciais. O projeto é da autoria do arquiteto Rui Francisco e a produção está a cargo da EPC (Empresa Portuguesa de Cenários).