Fink à la Cigale - Imagem do Som
19188
post-template-default,single,single-post,postid-19188,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,footer_responsive_adv,qode-theme-ver-11.2,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.2.1,vc_responsive
 

Fink à la Cigale

Depois de Lisboa e do Porto, chegou a vez de Fink passar pela sala “La Cigale”. A Imagem do Som esteve lá…

Pouco a pouco enchia aquela “La Cigale” que cheirava a incenso, talvez para esconder o cheiro do seu tempo, onde desfilava uma viagem cinematográfica pelos grandes clássicos da música, desde Nick Cave a David Bowie, passando por um jovem Damon Albarn.

Fin Greenall e os companheiros apresentam-se em palco com um banho de palmas tão fervoroso, tão teen – como os funky vans que Fin calçava – ansioso por um concerto que não podia desiludir. Ao contrário da viagem na Casa da Música no dia anterior, levanta-se voo sem qualquer tipo de turbulência ecoando pelas paredes centenárias os clássicos que fazem dele um artista de “A” maiúsculo. Soaram igualmente as baladas do novo albúm Resurgam, que pelas palavras do próprio significa o renascimento a cada novo lançamento, como “Not Everything Was Better In The Past e “Day 22“. Porém eram clássicos como “Yesterday Was Hard On All Of Us” cuja idade que pesa por baixo dos olhos dos demais presentes desaparecia, libertando durante mais de hora e meia uma jovialidade que se cria ter desaparecido algures para dar  lugar à seriedade dos anos.

A cada canção, o espaço entre o público e a banda diminuía, mas foi com “Looking Too Closely” que ambos foram um só, reavivando a memória da sua última passagem por terras gaulesas, fazendo deste concerto não só intimista como nostálgico.

Contudo, não se despedem sem um encore pedido a bater de pé, aterrando tranquilamente mais uma vez na realidade, de alma e coração quente partimos prontos a enfrentar o frio amargo da noite de Paris.

Fotos e Texto: Rita Matias dos Santos | Paris