Há liberdade em cada mensagem de Patti Smith – o 4º dia do Vodafone Paredes de Coura

Muito mais que música, o Couraíso viveu último dia de recordações e sentimentos. O festival terminou com o efusivo britpop dos Suede!
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Dos grandes artistas confirmados para a 27ª edição do Festival Vodafone Paredes de Coura, Patti Smith era provavelmente o nome reunia mais consenso para esta última noite. Era, também, de entre os principais nomes do festival, aquele que atuou mais cedo: 21h30, o que funcionou como um isco para a presença de tantos festivaleiros num horário pós-jantar. Quatro anos depois de ter estado presente em dose dupla no NOS Primavera Sound, a artista norte-americana compareceu com a sua banda no palco principal. Adivinhavam-se momentos de união e boa música, mas não do nível que atingiu. Patti Smith deu uma aula de como se de deve interagir com o público, passando uma mensagem forte à audeiencia.

A ícone dos anos 70 optou por alinhamento até mais modesto do que seria esperado: conduziu-nos por mais covers do que seria expecável e isso também tem o seu quê de fascinante. Com mensagens de união e multiculturalidade, Patti Smith introduzia as suas músicas com uma simplicidade invejável.

© Igor de Aboim

Patti Smith Galeria Completa

A meio aproveitava para fazer algumas homenagens a outros grandes ícones da música. Foi assim que fez ecoar o nome de Jimi Hendrix, com a música “Are You Experienced?”. Outro dos grandes momentos estava guardado para a sua banda, quando Lenny Kaye e Tony Shanahan cantaram um medley que atravessa gerações: “I’m Free” dos Rollings Stones e “Walk on the Wild Side”, de Lou Reed. Neil Young foi outro grande artista que não ficou esquecido.

Com 72 anos, Patti Smith é a definição real que a idade é apenas um número. Atraindo público de todas as faixas (provavelmente os mais novos nem a conheciam assim tão bem), conseguiu passar aquilo que se deve fazer em concertos: mensagens com a música ou além da música. Smith soube espremer as duas coisas com a liberdade como adjetivo principal.

Os Suede foram a outra banda em destaque no último dia de festival, e mereceram, por serem eles a fechar o palco principal desta edição de 2019. A banda de Brett Anderson insurgiu em Coura a todo o gás, e com vontade de fazer estragos em mais de uma hora de concerto.

Com um público fiel de há anos para cá, os Suede só precisaram de agitar a máquina. Sem grandes pressas, é verdade, mas sempre em modo crescente. Os londrinos podem não estar nas maiores referências de artistas da britpop da atualidade, se bem que aqui fizeram lembrar o porquê de terem o seu nome associado à lista das melhores bandas dos anos 90.

© Igor de Aboim

Suede Galeria Completa

Nenhum dos grandes temas dos Suede ficou esquecido. Foi assim com So Young, Metal Mickey, The Drowners, Animal Nitrate, Killing of a Flashboy, Beautiful Ones, She’s in Fashion e New Generation. As músicas do novo álbum The Blue Hour emparelaram com os hits, levando a um alinhamento diversificado que entreteve o público. Os últimos momentos também ficam para a história, com o vocalista Brett Anderson a saltar para as primeiras filas e cantar em coro o tema final Next Generation. Uma música que acaba por fazer sentido para rematar ao que se tinha passado ali: há que transmitir estas grandes bandas à próxima geração.

Entre Patti Smith e os Suede, esteve o rapper Freddie Gibbs com Madlib no deck. Foi o exemplo perfeito que confirma que a moda do rap ainda não chegou a Coura com a mesma intensidade que já domina outros festivais. Aqui só se viram as primeiras cinco filas aos saltos, deixando os outros festivaleiros a tentar assimilar aquilo (ou então a fazer por esquece-lo). Ao início da tarde foram os portugueses Ganso e a norte-americana de origem nipónica Mitski a dar luz a um último dia cinza em Paredes de Coura.

© Igor de Aboim

Freddy Gibbs Galeria Completa

Quanto ao palco secundário, o destaque vai para os tugas e sempre competentes Sensible Soccers e com Kamaal Williams, o projeto de hip hop e garage de Henry Wu.

© Igor de Aboim

Sensible Soccers Galeria Completa

© Igor de Aboim

Kamaal Williams Galeria Completa

Foi mais uma grande edição do Vodafone Paredes de Coura. Cerca de 26 mil pessoas encontraram-se no recinto diariamente, naquela que foi a edição com mais festivaleiros até à data. A boa música regressa ao Taboão em 2020 e já tem datas marcadas: de 19 a 22 de agosto. Vemo-nos por lá!

OUTRAS NOTÍCIAS

NOVAiDS White-01