ivy

IVY, a fada mística do obscuro

IVY, a fada mística do obscuro

Rita Matias dos Santos
Rita Matias dos Santos
Após 6 anos exilada em Paris, Rita regressa à pátria persistindo contra todas as marés no seu sonho de escrever sobre música. Pelo menos da parte da tarde.
De regresso a Lisboa, Rita Sampaio, vocalista da banda de Braga, Grandfather’s House, estreia-se a solo no Musicbox com a apresentação de “Over and Out” sob o nome de IVY.

Distanciando-se das sonoridades mais elétricas da banda, Rita dá um salto para o abismo revelando o seu lado mais obscuro e sensível. Falamos de la face cachée de uma fada cuja voz não faz jus ao seu tamanho, alcançando o público tímido que se apresentava rendido aos pés da cantora bracarense. Apesar do palco escolhido não ter sido justo para o mágico concerto preparado para a audiência lisboeta, a sensibilidade de Rita não deixou de nos contagiar com as suas melodias profundas e acolhedoras com uma enorme simpatia.

Numa tela tridimensional, Rita não se pintou sozinha, fez-se acompanhar pela família da editora Cosmic Burguer: Víctor Silva nos sintetizadores assim como Francisco Carvalho, que ainda soltou alguns acordes. E foi nesta tela que a artista nos prendeu por todos os sentidos, com um concerto arranjado ao milímetro. As cores fortes agarram-nos o olhar na jovem cantora que se soltava nos seus próprios ritmos, cativando-nos com as suas melodias de sereia.

Enquanto o fumo subia docilmente suavizando o fundo preto que enriquecia a experiência musical que brincava com o imaginário de cada um, a sempre doce IVY, não deixou de lamentar a ausência de Rui Gaspar (First Breath After Coma) que na versão de estúdio acompanha a faixa “8h17am”.

Sendo facilmente identificável a escuridão que Rita partilha, é na sua originalidade e versatilidade inerente que reconhecemos a sua capacidade criativa enquanto artista a solo. Fazendo com que o futuro de IVY seja uma incógnita, só ela o saberá, porém, espera-se promissor.

Rita Matias dos Santos
Rita Matias dos Santos
Após 6 anos exilada em Paris, Rita regressa à pátria persistindo contra todas as marés no seu sonho de escrever sobre música. Pelo menos da parte da tarde.