GABINETE DE IMPRENSA

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Kevin Morby: alteração de local e mais bilhetes à venda

A meteorologia trocou-nos as voltas, mas há males que vêm por bem. Com a previsão de chuva para segunda-feira, passamos do jardim do Museu D. Diogo de Sousa para o Auditório Vita. É a vossa última oportunidade para assistir ao concerto de Kevin Morby. 


Kevin Morby, as canções velhas de um homem novo

É simples e muito pouco questionável: Kevin Morby é um dos maiores escritores de canções folk da atualidade. Compositor, cantor e guitarrista, o norte-americano garantiu esse lugar de imediato aquando de Harlem River (2013), disco de estreia a solo que, apesar de não ter tido a merecida atenção da imprensa musical como os seus sucessores trabalhos, obteve do público indie um apoio incondicional. Em Harlem River encontraríamos oito canções indiscutivelmente eternas e belas, que instantaneamente catapultavam Morby para a liderança do grupo composto pelos novos escritores de canções folk vindos da América do Norte. Um ano mais tarde, o cantautor de 31 anos  dá a conhecer Still Life, disco em que se rodeia de amigos e conhecidos para compor um trabalho onde o rock ocupa mais lugar que a folk de uma guitarra e a diversidade de instrumentos atribui-lhe uma riqueza única na discografia de Morby.

Com sucessivas digressões pela Europa e América, é com Sam Cohen, enquanto produtor, que dois anos depois viria a lançar Singing Saw, álbum que guarda lugar nas tabelas dos melhores discos de 2016 para a Mojo, Uncut e Pitchfork, e de onde saem canções como “I Have been to the Mountain”, clássico imediato na carreira de Morby. Fulguroso escritor que utiliza o tempo em digressão para compor, edita o maduro álbum City Music logo no ano seguinte e tem novamente do seu lado toda a aclamação da imprensa internacional e do público.

Após quatro aclamados discos, Kevin Morby está de regresso às edições discográficas com Oh My God, disco com saída pela Dead Oceans, casa que alberga nomes tão singulares quanto Julianna Barwick, Ryley Walker ou Marlon Williams. No novo disco, inspirado em muita matéria de foro espiritual, Morby traz a escola do rock’n’roll para a simplicidade das suas canções, mas desdobra-se também em momentos de pura profundidade humana.

Em Braga, o cantautor apresentar-se-á acompanhado pelo saxofonista Hermon Mehari para um concerto integrado no ciclo gnration@, iniciativa do gnration que dinamiza espetáculos musicais em locais emblemáticos da cidade de Braga. Morby atuará no agora no Auditório Vita, novo local face ao anterior anunciado, o jardim do Museu D. Diogo de Sous