Lamb regressam a Portugal para comemorar 21 anos de carreira - Imagem do Som
19278
post-template-default,single,single-post,postid-19278,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,footer_responsive_adv,qode-theme-ver-11.2,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.2.1,vc_responsive
 

Lamb regressam a Portugal para comemorar 21 anos de carreira

Lamb, o duo britânico composto por Lou Rhodes e Andy Barlow comemora 21 anos de carreira e termina a sua digressão europeia em território nacional.

Com concertos no coliseu do Porto e no de Lisboa, seis anos após terem encerrado a sua passagem por Portugal, regressam à mesma cidade e sala que agora os recebe.Embora tenham sido recebidos nesta noite fria de Novembro quase invariavelmente de forma quente, foi a espaços, quando interpretaram temas como “Gorecki”, “Little things” e “Gabriel” que os presentes no recinto presentearam a banda Britânica com o calor que outrora estavam habituados.

Com uma primeira parte do concerto quase em exclusivo dedicado ao último album, é de resalvar também o interessante jogo de luzes apresentado, que conferiu intimismo à actuação do grupo liderado por Lou Rhodes. Com um público composto na sua maioria por aqueles que no virar do século vibraram com os êxitos de Fear Of Fours e What Sound, o duo Britânico ofereceu aos presentes um concerto competente, intimista e esforçado, embora algo longe do brilhantismo de atuações passadas no nosso país, (como o de Paredes de Coura em 1999 ou da Aula Magna em 1997) fruto não só deles próprios, mas do próprio contexto musical actual, em que o trip-hop não está tanto em voga como há quase vinte anos, época em que bandas como Portishead, Massive Attack, Morcheeba e Sneaker Pimps entre outros prosperavam e inovavam.
Os próprios Lamb acabaram por evoluir afastando-se no processo da matriz da sua sonoridade original, tendo pelo caminho fundido estilos e piscado o olho a outros géneros mais contemporâneos numa tentativa de renovação e consolidação da sua base de fãs.

Não deixa de ser estranho que o último álbum de 2014 tenha só agora sido apresentado ao vivo ao público português, tendo em conta que foi no nosso país a par do Reino Unido que Lou Rhodes e Andy Barlow conquistaram a maior legião de fãs. Aliás, foi mesmo só em Portugal que os Lamb conseguiram atingir o primeiro lugar do top de vendas de discos com What Sound de 2001.

O concerto, esse, encerrou em apoteose com “Gabriel” desse mesmo álbum, interpretado magistralmente pela voz de Lou Rhodes que embora com 53 anos, parece manter a voz única e doce de outros tempos. No final houve direito a foto dos presentes no recinto por parte de um Andy Barlow visivelmente emocionado e pouco tempo depois a banda dirigiu se ao local de Merchandising para autografar cds e posters, e muitos foram os que aguardaram para obter o autógrafo ou “selfie” da praxe.
Em suma, é inegável que a ligação que os Lamb mantêm com o público português é especial, e parece que está para durar, e, muito embora os tempos não sejam os mesmos e os anos teimem em passar, existe algo de intemporal entre a banda e Portugal, uma química inexplicável que faz com que os mesmos se sintam em casa nos palcos portugueses.