sobral

Luísa Sobral e a delicadeza de ”Rosa”

Luísa Sobral e a delicadeza de ”Rosa”

Isabel Mesquita
Isabel Mesquita
De gosto muito eclético adora conhecer e experimentar coisas novas. Interessa-se pelas mais variadas formas de arte. Tem sempre vários livros na mesinha de cabeceira...pelo menos um de poesia.
“Rosa” foi escrito durante a segunda gravidez de Luísa Sobral e é também o nome da sua filha.

Num dia de sábado chuvoso a Casa da Música estava cheia para a apresentação do novo trabalho de Luísa Sobral -“Rosa”. É o segundo concerto da digressão que começou em Coimbra e que continua para Setúbal, Lisboa, Castelo Branco, etc e depois para Espanha: Castellón, Madrid, Barcelona e Pontevedra.

Acompanhada por 4 músicos, um trio de sopros e guitarras, Luísa partilhou um conjunto de canções e uma porção da sua vida com uma plateia totalmente disponível. É o seu 5º álbum de originais contendo um reportório mais íntimo todo em português onde «se contam histórias e se fala de amor» sobre o qual diz que «as palavras são mais importantes, a palavra simples é muitas vezes subestimada mas para mim, simples é o melhor».

© Teresa Mesquita

Depois dos aplausos de boas-vindas o concerto começa com “Nádia”. Findo o tema Luísa simpática e comunicativa agradece à plateia «Obrigada por receberem mais um projecto… é tão bom vir aqui». Para a segunda música pega na viola e começa “Não sei ser”. Bem-disposta cumprimenta umas pessoas que chegaram atrasadas…

Continua para “Quarto de lua” do seu disco “Lu-Pu-I-Pi-Sa-Pa” de 2014 e retorna para o álbum mais recente com “Benjamin” em dueto com Manuel Rocha (guitarra) revelando que seria o nome do filho se fosse rapaz e que «seria a carta de amor que um dia quereria que alguém lhe escrevesse».

© Teresa Mesquita

A seguir visita o disco de 2011 ” The cherry on my cake” com “Clementine” que seria a única canção cantada em inglês da noite. Volta para ”Rosa” com “Maria do mar”, “Querida Rosa”, “O verdadeiro amor” num momento mais intimista. Continua com “O engraxador” informando que foi a primeira música que gravou escrita em português o qual é acompanhado pelos aplausos do público.

Outra vez com Manuel Rocha canta “Só um beijo”, canção gravada no disco com o seu irmão Salvador Sobral onde o público participou ajudando a cantar o refrão “…mas não foi só um beijo pra mim” antecipando o dia dos namorados. Continua nesse espírito com “Dois namorados” tema inspirado na história real de Maria e Armando amigos de infância que se reencontraram passados 68 anos e que se apaixonaram tendo sido o videoclip gravado com os protagonistas verdadeiros desta história.

© Teresa Mesquita

A seguir canta” Mesma rua mesmo lado”, “O melhor presente” e interrompe o alinhamento para cantar os “Parabéns” a Jorge (o seu técnico de palco).

Para o encore e depois de umas ”selfies” com a plateia em background estavam reservadas 3 canções:“ Envergonhado”, último tema do disco ”Rosa”, o grande êxito “Amar pelos dois”, tema escrito para o seu irmão e que foi cantado de fio a pavio pelo público e o incontornável “Xico” que terminou com todos os músicos em palco a cantar e a dançar ao estilo de banda de “New Orleans” onde o público também participou cantando, dançando, aplaudindo de pé e com pena de se ir embora.

Luísa Sobral – galeria completa

Isabel Mesquita
Isabel Mesquita
De gosto muito eclético adora conhecer e experimentar coisas novas. Interessa-se pelas mais variadas formas de arte. Tem sempre vários livros na mesinha de cabeceira...pelo menos um de poesia.