Mallu Magalhães na Casa das Artes de Famalicão - Imagem do Som
18877
post-template-default,single,single-post,postid-18877,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,footer_responsive_adv,qode-theme-ver-11.2,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.2.1,vc_responsive
 

Mallu Magalhães na Casa das Artes de Famalicão

Mallu Magalhães regressou a Portugal iniciando na Casa das Artes um ciclo de três concertos de apresentação do seu novo álbum “Vem”.

Mallu Magalhães, a compositora paulistana, de 25 anos, apresenta este seu quarto álbum de originais como o mais brasileiro de todos os seus trabalhos, e a verdade é que a maioria dos temas que compõem “Vem” nos levam para ritmos tipicamente brasileiros, como bossa nova ou samba.

Mallu Magalhães que, desde 2011 reside em Portugal, sentia a necessidade de fazer um disco mais focado nas suas raízes, para o Brasil e para os brasileiros e é assim que descreve este ultimo trabalho, embora o mesmo tenha sido produzido entre Brasil e Portugal e alguns dos temas tenham igualmente sonoridade tipicamente portuguesa, com a presença da guitarra portuguesa, como é o caso de “Casa Pronta” e “Linha Verde“, temas que fizeram parte do repertório da noite.

Com a casa lotada, como havia anunciado a jovem cantora, o público reagia muito e bem a cada música que Mallu cantava.

No seu estilo, muito próprio, Mallu apresentou vinte e duas músicas, quase todas do ultimo álbum, com “Linha Verde” “São Paulo” e “Você Não Presta” a serem os mais ovacionados. Aliás este ultimo tema, talvez pela polémica em que esteve envolto, teve um efeito despertador a partir do momento em que a cantora o anunciou, com o publico a acompanhar Mallu, com palmas, do principio ao fim, este e os temas seguintes.

A terminar, o público quase não deixava a artista abandonar o palco, tal a ovação a pedir o regresso para o tradicional encore, encerrando-se a noite com “”Love You“, “Vai e Vem” e “Muitos Chocolates“.

Mallu Magalhães fez um grande concerto e encantou o público que soube reconhecer no final!

 

Texto: Anabela Cesteiro

Fotografias: Mário Monteiro

 

Galeria: