Manuel Cruz nos 20 Anos do Hard Club - Imagem do Som
19623
post-template-default,single,single-post,postid-19623,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,footer_responsive_adv,qode-theme-ver-11.2,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.2.1,vc_responsive
 

Manuel Cruz nos 20 Anos do Hard Club

O Hard Club fez 20 anos de existência. Para celebrar tão marcante data, nada melhor do que convidar quem aqui (se) fez …

A primeira noite de celebração dos 20 anos do Hard Club trouxeram a palco filhos da casa e vozes da cidade para celebrar a história da música de uma geração da cidade invicta.

As festividades abriram com Manuel Cruz e companhia trazendo as músicas de Pluto, Foge Foge Bandido entre outros temas dos diversos projectos deste artista que a casa viu crescer. Como receber um velho amigo a voz de Manuel Cruz embalou a multidão num ondular hipnótico aos ritmos familiares num mar que embrulhou os presentes na deliciosa demência musical do grupo presente.

Terminando com um coro de Capitão Romance cantado em uníssono e dedicado aos restantes elementos dos Ornatos Violeta, o envio perfeito para um resto de noite que seria para muitos uma agradável surpresa. Ainda na ressaca de rever o “Manél” entra com um som western O bom, o mau e o Azevedo.

Trouxeram uma sonoridade contrastante que cativou o público a dar voz ao concerto instrumental com uma rendição impromptu da canção “Verdes Anos” de Paulo Alexandre. Um comboio musical que veio do oeste antigo e levou os resistentes ao retorno das Rubber Sessions. Com um quadro dos saudosos Zen em palco e o conhecido Gon a comandar a locomotiva do funk, o Hard Club fechou a primeira de três noites de festa a dançar ao som do Porto.