MUMI, a primeira feira profissional de música entre a Galiza e Portugal

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Em Verín, a 21 de janeiro de 2020 foi apresentado oficialmente o MUMI VERÍN’20: I Encontro Profissional de Música Galiza – Portugal. A apresentação teve lugar na Casa da Cultura de Verín e contou com a presença de Diego Lourenzo, vice-presidente do Concelho de Verín; Emilia Somoza, conselheira da Cultura de Verín; Jacobo Sutil, director da Agência Galega das Industrias Culturais; Ana Villarino, delegada do Turismo e Meio Ambiente da Assembleia de Ourense Manuel Vicente “Roxo” (Culturactiva SCG), por parte do MUMI – Galiza; e José Costa (Banzé), por parte de MUMI – Portugal.

O MUMI é o primeiro mercado profissional de música e cultura organizado pelos dois territórios ibéricos e promovido por uma associação que integra empresas, profissionais e colectivos do sector musical galego e português e apoiado pelo programa da Xunta ‘O teu Xacobeo’ com o objectivo de criar uma ponte de ida e volta real e estável para as músicas de ambos os países.

O encontro, que se desenvolverá em Verín nos días 12, 13 e 14 de março de 2020, reunirá artistas e bandas, promotoras, empresas de management, festivais, editoras, empresas de serviços e produção, etc. para partilhar ideias, criar sinergias sólidas, estabelecer novas redes de contacto e conhecer novas propostas na primeira pessoa.

Entre os objectivos do encontro, também será fixado uma agenda anual de trabalho conjunto a nível sectorial, empresarial e institucional para se converter no espaço de referência da actualidade musical da Galiza e de Portugal.

A feira contará com a programação profissional que incluirá actividades de formação (técnica, jurídica, marketing), speedmeetings (encontros rápidos) entre profissionais do sector, showcases com a selecção de artistas e bandas da Galiza e Portugal, e uma feira sectorial com a presença das empresas das diferentes áreas do sector. O caminho e o feito do Xacobeo 2021 serão tratados especificamente como grandes geradores de oportunidades para o sector aproveitando o seu património cultural e os espaços naturais que oferece. Também haverá concertos abertos ao público geral com a selecção de propostas musicais de diversos estilos e formatos, numa programação que demonstrará os novos valores e as figuras já consagradas em espectáculos multidisciplinares para o público familiar e adulto.

Da organização do MUMI na Galiza, Manuel Vicente ‘Roxo’ assegurou que “há muito tempo que tanto as bandas e artistas como a industria musical galega e portuguesa andavam à procura de um espaço onde o sector profissional fosse reconhecido como gerador de riqueza e diversidade”. Roxo garantiu que “o MUMI surge para se converter numa plataforma de internacionalização das nossas músicas, um espaço onde a Galiza e Portugal pudessem cooperar directamente, tecendo redes profissionais que fortaleçam realmente o sector musical profissional e onde sejamos capazes de gerar sinergias que se reflitam a médio prazo na produção e comercialização das músicas dos dois países”.

Representando a organização do MUMI em Portugal, José Costa explicou que há já cinco anos que Portugal está a trabalhar na internacionalização da sua música e que “por tanto era necessário esta ligação à Galiza para acabar com este desconhecimento mutuo que acontece ao longo de toda a fronteira com a Espanha”. José Costa assegurou também que o MUMI “vai ser muito importante para a evolução das dinâmicas do sector e a vitalidade dos artistas que participam no MUMI numa experiência rentável e enriquecedora
 
Pela parte das administrações, Diego Lourenzo manifestou que o Concelho de Verín se sente orgulhoso por acolher esta primeira edição da feira e está disposto para prestar toda a sua colaboração e apoio em várias edições futuras. Ana Villarino também ofereceu a possibilidade de receber no concelho que governa e assegurou que “somos um concelho que sempre tivemos uma convivência económica e social com os vizinhos de Portugal, para nós há muito tempo que a fronteira deixou de existir”. Villarino mostrou-se confiante de que o MUMI pode trazer outro de tipo de eventos à volta do turismo e a aposta no valor do património de toda a cidade. Por último, assegurou que a assembleia local vai seguir com todo o apoio, porque este é um encontro fundamental para apoiar a cultura e para melhorar o nosso território”
 
Jacobo Sutil, representando a Xunta de Galiza pela a Agencia Galega das Industrias Culturais (AGADIC), afirmando que o MUMI “representa o espírito do Xacobeo porque é um projecto participativo, descentralizado e sustentável, tal como se pretende para o programa ‘O teu Xacobeo’ em que está encarregue. Sutil também quiz deixar o seu apoio ao trabalho da coorganização  que está a ser levado a cabo pelas empresas promotoras de ambos territórios e afirmou que esta será a primeira de muitas edições.
 

Roxo anunciou que já está aberto o prazo de apresentação de propostas artísticas para participar no encontro. As inscrições podem ser feitas através do site mumimusicas.eu até ao dia 11 de fevereiro, e podem-se apresentar todas as bandas ou artistas de Galiza e Portugal que tenham um projecto musical de carácter profissional, independentemente do tipo de formação ou estilo. As bases completas podem ser consultadas no site do encontro. O representante da organização do MUMI apontou também queas propostas participantes serão escolhidas por profissionais do sector, seguindo não só os critérios de qualidade, como também de viabilidade dentro dos propósitos e características da feira. A programação dos showcases que resultem desta selecção será comunicada no dia 24 de fevereiro de 2020.

NOVAiDS White-01