Nik Kershaw levou ao Coliseu uns quantos resistentes ao Mau Tempo…

Nik Kershaw levou ao Coliseu uns quantos resistentes ao Mau Tempo…

Ana Cristina Tavares
Ana Cristina Tavares
28 de março de 1970. Porto. Licenciada, Pré-Bolonha, em Línguas e Literaturas Modernas, Variante de Estudos Portugueses e Franceses e Mestrado, Pré-Bolonha, em Linguística Portuguesa pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Professora de português e francês do 3.º ciclo e ensino secundário. Apaixonada pela vida, livros, música, cinema e teatro.

O público, contra o que eu tinha imaginado, é bastante heterogéneo, ainda estavam presentes alguns jovens, talvez por terem de acompanhar os pais neste regresso ao passado, aos áureos anos 80!

Nik Kershaw entra em palco e saúda o público com um “Good evening my friends”!

Como o tempo passa! Este homem em palco não é o meu Nik Kershaw! O meu Nik Kershaw é um jovem extremamente bem parecido, com um olhar cativante e uma energia contagiante!!!

Este Nik Kershaw tem 60 anos, cabelos brancos e apresenta-se de óculos de sol com lentes azuis, embora a energia esteja lá, não é a mesma coisa! Talvez o facto de eu também já não ter 16/18 anos me façam ver as coisas de outra forma?! Eu ainda associava os hits “The Riddle”, “Wouldn’t it Be Good” e “I Won’t Let The Sun Go Down On Me”ao jovem Nik Kershaw, mas afinal a passagem do tempo deixa marcas em todos nós, não há exceções! Todos nós envelhecemos, Nik não foge à regra, apenas a voz se mantém igual.

Foram quase duas horas de concerto e durante esse tempo foi visível que o cantor é um exímio músico, domina completamente a guitarra e é um excelente compositor.

Para além dos sucessos já referidos, que o público acompanhou e aplaudiu entusiasticamente, destaco dois temas, “Have a Nice Life”, tema composto pelo filho e “The Sky’s The Limit”, tema composto por Nik Kershaw para a filha, há seis anos atrás.

O cantor agradeceu sempre a participação e apoio do público, ao longo de todo o espetáculo com um “obrigado”. Agradeceu à cidade do Porto, na qual é a primeira vez que toca, às condições meteorológicas tão semelhantes ao seu país!!!

Foi um bom momento, sobretudo o recuar no tempo, o avivar as memórias de uma adolescência longínqua, o constatar que todos nós ficamos com a marca da passagem do tempo!

Texto de Ana Cristina Tavares e Fotos de Mário Monteiro
[envira-gallery id="20319"]

Ana Cristina Tavares
Ana Cristina Tavares
28 de março de 1970. Porto. Licenciada, Pré-Bolonha, em Línguas e Literaturas Modernas, Variante de Estudos Portugueses e Franceses e Mestrado, Pré-Bolonha, em Linguística Portuguesa pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Professora de português e francês do 3.º ciclo e ensino secundário. Apaixonada pela vida, livros, música, cinema e teatro.