O Campo foi Pequeno para os 30 anos de carreira de Mafalda Veiga

Três décadas após ter formado a sua primeira banda, em 1988, Mafalda Veiga apaga as velas destes 30 anos de carreira no Campo Pequeno
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Passavam dez minutos da hora marcada quando todas as luzes do Campo Pequeno se apagaram. Ouve-se uma voz inconfundível do panorama musical de português – (ainda) não era Mafalda Veiga, era Simone de Oliveira a recitar “Uma Noite Para Comemorar”, que faz parte do projeto “30 anos, 30 canções”, onde 30 pessoas foram convidadas por Mafalda a dar voz a 30 das suas canções.

© Joana Ruth Martins

Sem grandes demoras, pisa o palco e ouve-se novamente “Uma Noite Para Comemorar” desta vez na voz de Mafalda. “Obrigada por estarem aqui comigo esta noite, que é tão importante para mim”, começa por dizer ao público presente. Seguem-se as homenagens à cidade de Lisboa com os temas “Lisboa de Mil Amores” e “Ouve-se o Mar”.

Do álbum “Tatuagens” interpretou várias músicas, entre os quais, “Gente Perdida” que fez parte da novela brasileira Senhora do Destino e que, segundo Mafalda, “marcou uma viragem nas pessoas” que passaram a estar nos seus concertos. De seguida presenteia a plateia com “O Meu Amor” do seu último álbum. “Insónia”, “Por Outras Palavras”, “Estrada” e “Lado A Lado”, continuaram a fazer a delícia dos fãs.

© Joana Ruth Martins

Sozinha em palco, canta “Fragilidade”, “Velho”, a primeira música que escreveu quando tinha apenas 17 anos e ainda era estudante do ensino secundário em Montemor-o-Novo, e “Una Casa”. À festa junta-se o primeiro convidado da noite, Tiago Bettencourt, e juntos cantam “Tatuagens” e “Balançar”. O segundo convidado foi Rui Reininho, que trouxe alegria com a sua pandeireta e interpretou novas versões de “Miúdas Malukas” e “Praia” e fez questão de afirmar que Mafalda Veiga tinha “transformado um teatro de crueldade num espetáculo”, expressando a sua opinião acerca da tauromaquia. Por fim, junta-se Ana Bacalhau e juntas cantam “Because The Night” de Patti Smith e “Imortais”.

O concerto parecia estar a terminar com “Olha Como a Vida é Boa”, mas o público gritou por mais e Mafalda voltou com “Fado”, “Planície”, o eterno “Restolho” e uma versão acapella de “Balada de Un Soldado”. O espetáculo culminou com o público e a cantora a cantarem em uníssono “Cada Lugar Teu”.

© Joana Ruth Martins

O alinhamento do concerto contou com mais de 30 músicas, mas com ajuda da banda, dos ritmos e até do espetáculo das luzes, tornou-se numa viagem perfeita pelas três décadas da carreira da Mafalda Veiga.

 

Mafalda veiga – galeria completa

OUTRAS REPORTAGENS