PRIMAL SCREAM – HARD CLUB OU HACIENDA?

É raro ver-se o público dançar livremente pela pista, mas é isto que acontece em Primal Scream, e é bonito.
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Após os espetáculos de aquecimento que os Primal Scream fizeram no inicio do ano, chegou a vez da Invicta ter o privilégio de receber a tour “Maximum Rock ‘N’ Roll: The Singles”. Os britânicos que passaram pelo NOS Alive em julho de 2019, têm agora a oportunidade estender a sua setlist, e proporcionar a experiência que os fãs merecem.

A sala 2 do Hard Club está longe de encher. Aplica-se a máxima : “Poucos mas bons”.

Vagueando pela sala, ouvem-se histórias de festas, afters, concertos e raves em que Primal Scream tomavam conta da banda sonora – o entusiasmo estava no ponto.

© Hélio Carvalho

Eis que entra a banda em palco : Gillespie, magro como sempre, vestindo um fato rosa choque, é acompanhado pelo mestre do riff Andrew Innes na guitarra, com um aspeto tropical aludindo a uma vibe ska, enquanto o teclista Martin Duffy está escondido atrás, onde se pode concentrar nas passagens do blues sulista para os sintetizadores representativos do acid house. A baixista Simone Butler encarrega-se do groove enquanto fita a audiência.

© Hélio Carvalho

Swastika Eyes’” começa com uma sirene, e a batida rápida entra em ação com uma batida electro-punk. É esta combinação que cria a tempestade perfeita – uma mistura de estilos que torna os Primal Scream tão atraentes. É raro ver-se o público dançar livremente pela pista, mas é isto que acontece em Primal Scream, e é bonito. Será isto o Hard Club ou a antiga Hacienda de Manchester ?

Toda a setlist joga com esta dualidade : A eletrónica e o rock clássico fortemente influenciados pela sensibilidade sónica do blues.

© Hélio Carvalho

Rocks”, tocada de forma absolutamente desleixada (e ainda bem !)  dá o mote transicional para a ultima musica do set: “Come Together”, retirada do seu álbum mais conhecido, “Screamadelica”, exacerbando a batida e os passos de dança do público, que com todo o gosto aguentaria mais uma hora e meia de concerto.

Primal Scream Galeria Completa

OUTRAS NOTÍCIAS

NOVAiDS White-01