Raquel Tavares e Sinfonietta de Lisboa conquistam Coliseu do Porto

105
© Teresa Mesquita

Raquel Tavares presenteou o público nortenho com uma grande atuação, acompanhada pela Sinfonietta de Lisboa. O Coliseu do Porto não encheu, mas era noite de Halloween e o Porto jogou em casa.

Raquel iniciou o espetáculo com três temas de Fado Tradicional, Deste-me Um Beijo e Vivi, Sombras da Madrugada e Ó Minha Mãe, Minha Mãe, uma voz poderosa e cheia, uma voz que enche uma sala e provoca arrepios. Raquel sempre a interagir com o público e sempre muito comunicativa, acompanhada pela sua família de palco, os seus músicos.

Dá início à outra parte do espetáculo e canta temas mais ligeiros como Gostar de Quem Gosta de Nós,tema de Tiago Bettencourt, Não me esperes de Volta, Limão e os temas de Roberto Carlos, todos eles sobejamente conhecidos do público presente na sala, acompanhada em palco pela Sinfonietta de Lisboa.

© Teresa Mesquita

Destaque para as interpretações de Meu Corpo de D. Beatriz da Conceição que contagiou todo o público presente e mostrou uma Raquel Tavares visivelmente emocionada, e Debaixo dos Caracóis dos Seus Cabelos,sempre acompanhada pelo público. Inesquecível ainda o momento de Cavalgada, de Roberto Carlos, transformado em fado.

© Teresa Mesquita

Raquel Tavares referiu, em jeito de desabafo, que a vida de artista não é fácil, mas sente-se privilegiada por fazer aquilo que ama, emociona-se e chega a chorar em palco. O público manifesta-se com palmas e palavras de carinho. O espetáculo encerra com os temas Estranha Forma de Vida e Quando Eu Estou Aqui.

Raquel Tavares tem uma voz única. Como artista é uma força da natureza, tem garra, é comunicativa, simpática e humilde e sabe cativar.

© Teresa Mesquita

Raquel Tavaresgaleria completa