Rubel conquista o Musicbox em Lisboa

1160
© Ana Viotti (Musicbox)

O cantor brasileiro Rubel estreou-se em Lisboa com dois concertos no Musicbox, ambos com lotação esgotada, um deles com direito a um pedido de casamento.

Marcavam as 23h no relógio quando Rubel se lançou ao palco do Musicbox pela segunda noite consecutiva. Começou com a mesma música – Quando Bate Aquela Saudade – que, há cerca de três anos, o lançou para as luzes da ribalta. Não foi sequer preciso um “olá” ou um “boa noite” em estilo carioca para o público ficar completamente rendido nos primeiros minutos do concerto.

Veio apresentar-nos Casas, o seu novo álbum, considerado o melhor álbum de Música Popular Brasileira de 2018. No entanto, as músicas de Pearl, o seu primeiro disco, preencheram a maioria da sua setlist. Foi na quarta música que Rubel nos mostrou um pouco de Casas, começando por contar, no seu jeito irónico, três histórias diferentes que aconteceram consigo. Histórias essas que tinham como lições: “não ficar nervoso”, “não se apaixonar” e “não desafinar” e deram origem ao tema Casquinha.

Seguiram-se temas como Ben, dedicado ao seu sobrinho, Mantra, uma espécie de reza em que pede para preservar a música brasileira, mas foi com um cover de Conversa de Botas Batidas da banda Los Hermanos, que Rubel conseguiu meter a sala toda a dançar.

© Ana Viotti (Musicbox)

Um concerto bastante intimista, em que cantautor fez questão que todos cantassem com ele em diversas ocasiões. Entre um desses momentos, pouco depois do verso “when you awake inside” de O Velho e O Mar deixar de se ouvir em coro e antes de ouvirmos Partilhar (uma das mais românticas deste novo álbum) que um fã subiu ao palco para pedir a sua namorada em casamento, algo que já tinha sido combinado com o cantor há algum tempo.

No final, despediu-se de Lisboa e presenteou novamente o público com Quando Bate Aquela Saudade, fazendo as delícias a quem não chegou a tempo do início do concerto. Obrigada, Rubel. Vamos ter saudades.