Sean Riley & The Slowriders: um Farewell que dura há dez anos - Imagem do Som
18954
post-template-default,single,single-post,postid-18954,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,footer_responsive_adv,qode-theme-ver-11.2,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.2.1,vc_responsive
 

Sean Riley & The Slowriders: um Farewell que dura há dez anos

Foi longe da egomania e bem perto de um coração nostálgico que Sean Riley & The Slowriders trouxeram, até ao Passos Manuel, a celebração do décimo aniversário do seu primeiro álbum, Farewell.

O segundo concerto de uma tour cuja setlist faz jus ao álbum gênese da carreira da banda, e a todas as memórias que os quatro músicos de Coimbra trazem com eles.

  Numa entrevista dada anteriormente, a banda já tinha afirmado que esta tour representava o encerrar de um ciclo de crescimento, menos marcada pelo mercantilismo e mais marcada pela perda da ingenuidade que a idade acarreta. Houve clássicos que estiveram guardados no baú durante os últimos anos e que, só agora, voltariam a ser tocados ao vivo – um repertório vasto, e imperdível para todos os fãs que viram o projeto crescer ao longo do tempo.

  O espetáculo, que não foi só um concerto, foi também um diálogo aceso entre o vocalista Afonso Rodrigues e o público que, sem vergonha, não manteve o silêncio. A escolha “menos inocente” da banda em tocar naquela sala deu-se ao facto de ter sido ali que, há uma década, apresentavam o mesmo álbum à cidade do Porto. A memória carrega responsabilidade e, por isso, a banda terminou o concerto com a canção Spider’s blues – um inédito, uma vez que nunca tinha sido tocada ao vivo, e que conta um pedaço de todas as suas histórias.

  Sem demora veio um enternecido apelo a Pedrogão Grande, marcado também pelo calor de um peito a fervilhar de emoções. Um foco na preocupação pelo estado do país devido aos desastres naturais causados pelos incêndios que decorreram nos últimos meses. Afonso Rodrigues contou que foi perto da zona ardida que parte do álbum teria sido gravado e, porque “How life could be a little less harsh on him”, a Harry Rivers foi dedicada com respeito a todas as vítimas.

  Um momento que acabou por ser a viagem de um aceno que prevalece, por agora, num “até já” da banda que não confirma nem nega a possibilidade de um próximo álbum. A edição especial do disco em vinil foi uma das surpresas que a banda trouxe para Farewell, e não só – no fim do concerto ainda tivemos direito a ouvir um encore aplaudido de pé, com direito a uma música por cada álbum da carreira de Sean Riley & The Slowriders.

 

Confiram a galeria: