Tatanka e uma noite recheada de Estrelas!

Com artistas deste calibre, podemos realmente acreditar que chegará o dia em que Portugal será conhecido não apenas pelo Fado.
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Casa da Música ao rubro foi aquela que se fez sentir numa miscelânea de sons bem ritmados com que o público foi presenteado numa quarta-feira extremamente chuvosa e fria. Tatanka, um rosto bem conhecido do projecto Black Mamba, trouxe consigo toda a experiência que adquiriu nos diferentes projectos em que tem vindo a participar e fez da noite de hoje um estrondoso sucesso.

Estivesse ele a cantar em inglês e bem poderiam dizer que se tratava de algum grande nome do panorama musical internacional, o que não foi o caso. Tatanka cantou e encantou em bom português e que bem que soube ouvir cantar assim a nossa língua. Com o seu estilo e timbre muito próprios, podemos mesmo afirmar que traz consigo uma inovação mais do que bem vinda ao registo luso. Vibrante, quente, sexy e revolucionário, são alguns dos adjectivos com que o podemos qualificar. Arranca do público o bater de pezinho, o estalar os dedinhos e até o abanar o corpinho (apesar de sentado) ao som da sua música. E o que se quer de um grande artista, senão que nos desperte emoções e sentidos?! Pois foi isso mesmo. Despertou o seu público, aqueceu e engrandeceu o palco que pisou.

© Teresa Mesquita

E as estrelas que fez desfilar ao longo do seu espetáculo? Uau!!! Desde David Pessoa, a Diego El Gavi, Luísa Sobral e para finalizar Azeitonas, foi realmente um concerto que superou todas as expectativas. Sinceramente, senti que fomos transportados para um daqueles bares de jazz, numa cave qualquer onde os músicos se encontram para conviver e acabam numa maravilhosa “Jam Session”, onde a noite é sempre uma criança e o dia só nasce quando se coloca um pé fora da porta.

© Teresa Mesquita

Com artistas deste calibre, podemos realmente acreditar que chegará o dia em que Portugal (a nível musical), será conhecido não apenas pelo Fado e ainda bem, porque somos mais, muito mais e hoje Tatanka, foi esse mais.

Tatanka – galeria completa

OUTRAS REPORTAGENS