Foi no chão da sala principal do HardClub que, na passada sexta-feira, La Raíz aqueceu uma plateia completa com uma mistura diversificada entre ska, punk-rock, e hip-hop.

De coração cheio e com calor valenciano, a banda trouxe até ao Porto uma discografia que conta com quatro álbuns e três singles de natureza eclética, tendo iniciado a setlist com os trabalhos mais recentes e, no decorrer do espectáculo, ter ido aos clássicos mais conhecido.

A banda foi recebida por um público de braços abertos que, além de conhecedor de todas as batidas e letras das músicas, carregava com respeito nacionalista a bandeira de Espanha e o suor de todos os poetas. Um concerto que passou não só pela celebração de todo o trabalho dos músicos, mas também por uma partilha de segredos e emoções intermináveis, que refletem o suor de um trabalho de mais uma década e muitas batalhas passadas em conjunto.

La Raíz é uma banda de furor mestiço que surge em palco como uma família sem frente e sem plano de fundo - dez músicos que, na verdade, atuam como um só. Toda a sua cumplicidade musical mostra ser quase um espelho no qual o público se consegue refletir facilmente e viver um momento “asi en el cielo como en la selva” - algo que pode parecer contraditório, mas que reflete a forma como a sociedade se expande nos dias que correm.

Este, foi um espectáculo que contou com encore, coreografia, lágrimas, e muita vontade por parte de um público entusiasta e uma banda que não se privou de uma constante vibração e foco no ativismo, na paz, e na força. Foi um concerto de sangue latino e princípios humanistas.

A tour La Hoguera de los Continentes teve como antepenúltimo lugar o Porto, e termina em Madrid a 28 de Outubro. Em celebração de uma tour que estreou La Raíz em território latino americano, a banda irá realizar a gravação integral em direto do último concerto da tour para a realização de um DVD, e os bilhetes estão quase esgotados.

TEXTO: Maria Carvalho FOTOGRAFIA: Igor de Aboim