Kings of Leon, “When You See Yourself”

SUSPEITO - PEDRO BRÁS MARQUES
O disco traz pouco de novo a uma carreira que, há já algum tempo, parece emperrada ao nível criativo.

When You See Yourself” é o oitavo álbum dos Kings of Leon (KOL) e é uma pena não terem olhado para a literalidade do título que escolheram. Porque, infelizmente, o disco traz pouco de novo a uma carreira que, há já algum tempo, parece emperrada ao nível criativo. Como se não bastasse, tiveram a infeliz ideia de ir buscar o produtor Markus Dravs que tem no curriculum bandas “estimulantes” como os Coldplay e os Mumford & Sons… Ou seja, se há uns anos os KOL eram apelidados de “Southern U2”, então há que dizer que precisam urgentemente dum “momento Achtung Baby”, um disco que reinvente a sua sonoridade e que indique um novo caminho. Porque a fórmula de cruzar ‘indie rock’ com ‘southern rock’ está completamente esgotada e nota-se, neste disco, algo pior, um certo aburguesamento que se traduz num som mais doce, mais AOR, mais perigoso para quem quer continuar a ver estádios cheios. Como defender, por exemplo, a bondade do refrão de “100.000 People” que se resume a repetir “You do” dezasseis (16!) vezes e em triplicado?

O disco até nem começa mal, com o longo e lento “When You See Yourself, Are You Far Away”, seguindo-se o melhor tema de todo o álbum, “The Bandit”, onde a sobreposição de guitarras evoca o som dos Interpol nos seus melhores dias. Isto apesar das letras cifradas e quase ininteligíveis “Chiseled their names in stone / Heavy the load you tow / And the red horse is always close / And the fire don’t burn below”… Pois é, devem ter estudado na “Escola Rui Reininho”… Depois é um desenrolar de canções, algumas a escorregar para o lamechas (“Supermarket” e “Claire & Eddie”), sem grande ou nenhuma chama, salvando-se, eventualmente, “Echoing”.

Portanto os quatro Followill, em vez de recorrentemente andarem ao estalo e suspendendo a actividade da banda, talvez fizessem melhor em inscreverem-se numas sessões de terapia de grupo, com vista a acalmarem e estimularem a criatividade, sob pena de, se continuarem assim, KOL acabar por significar “Kings of Lame”…

Pedro Brás Marques

ÁREA SUSPEITA by
SUSpeitos+mr+november-6

A Cosmic Burger faz reset

Tendo em mente o mote do 2020 World Economic Forum, a Cosmic Burger decidiu anunciar o seu próprio great reset – a necessidade de espalhar esta nova mensagem numa tentativa de pôr fim a equívocos sobre aquilo que é.

NOTÍCIAS SUSPEITAS

Quarto INDIECASSOM na Veep Radio

Amanhã às 22:00 o Pedro Brás Marques apresenta “Indiecassom”, o magazine mensal d’Os Suspeitos na Veep Radio, com os novos trabalhos dos Dry Cleaning, London Grammar, Dinosaur Jr., Kero Kero Bonito, Ratboys e muitos mais.

21º SUSPEITOS DO COSTUME na Veep Radio

No 21º episódio dos Suspeitos do Costume, o Pedro Taveira interroga-se sobre se a relação entre a música e a fotografia será mais íntima do que imaginamos.

Terceiro INDIECASSOM na Veep Radio

Julien Baker, Jay-Jay Johansson, Arab Strap, Flyying Colours, Alice Phoebe Lou, Cave & Ellis, entre muitos outros no novo Indiecassom, apresentado pelo Pedro Brás Marques.

HEYPORTO VIBES na Hey Porto

‘HeyPorto Vibes’ é a coluna assinada pelo Suspeito Pedro Taveira em parceria com o jornal HeyPorto.
Saiu agora o 6° episódio.

AS 50 SUSPEITAS de Manuela Hora de Carvalho

Aflige-me o silêncio, demasiado silêncio, por isso não entendo o tempo e o espaço sem música. A música que nos situa nos momentos e nos conta os espaços, com sons, com ritmo, com tempo.

AS 50 SUSPEITAS de Paulo Barreto

Pegar na peça em bruto e desmontar, desconstruir, dissecar, baralhar e voltar a dar… Apreciar cada detalhe, cada beat, cada riff, cada loop, cada kick…

Menu

Bem-Vindo(a)!