JORGE PALMA dá lume a mais uma noite mágica

O músico septuagenário subiu pela terceira vez a um Teatro Tivoli BBVA lotado mas totalmente disponível para se devotar em torno do cancioneiro da Antologia.

Ao fim de quatro das seis paragens desta viagem começam-se a decifrar alguns traços do músico que esta Antologia celebra, como se de uma fórmula mágica se tratasse. O começo do espectáculo dá-se com o primeiro single, aos quais um par de sucessos se juntam antes dos lados B entrarem em acção. E quando estes saem, Palma fica sozinho em palco durante alguns minutos antes da banda voltar para interpretar mais alguns lados B. Que antecedem um encore repleto de temas que há muito extrapolaram a discografia de um Jorge Palma que se despede ao fim de 23 temas. E assim foi, uma vez mais.

(Concerto de Jorge Palma Antologia IV, Teatro Tivoli, em Lisboa. FOTO TM)

O primeiro single da carreira de Jorge Palma, ‘The Nine Billion Names of God’, voltou então a abrir as hostilidades de uma sala que tinha na sua plateia nomes como João Pedro Pais ou Flak. A Antologia deste concerto seria concentrada em “Quarto Minguante” (1986), “Bairro do Amor” (1989) e “Jorge Palma” (2001) e, repetindo a fórmula do II e do III capítulos, seguiram-se ‘Tempo dos Assassinos” e ‘Dormia Tão Sossegada’ (ambas de “Jorge Palma”, o primeiro disco de sempre produzido por Flak), fazendo a delícia dos presentes antes do espectáculo entrar no repertório que o tempo tentou fazer esquecer.

Não tardou até Jorge Palma ficar sozinho em palco e ceder, a espaços, ao nervosismo que a falta de rodagem de ‘Duas Amigas’ (de um “Jorge Palma” que só não foi revisitado na íntegra pelas ausências de ‘Senhores Inatos’ e ‘Sete’) implicou. No entanto, o ‘Bairro do Amor’ cedo fez esquecer tal natural percalço. Jorge Palma não estava ‘’ até porque, para lá da banda que habitualmente o acompanha, tinha Gabriel Gomes do seu lado para interpretar o tema de um “Bairro do Amor” que havia de, intencionalmente ou não, ser tocado na íntegra.

Concerto de Jorge Palma Antologia IV, Teatro Tivoli, em Lisboa. FOTO TM

Seguiu-se ‘Disse Fêmea’, não sem antes Palma contar a história sobre o tema (tal como já havia feito aquando do seu espectáculo no Palácio Baldaya, no começo desta Antologia). A música foi uma de cinco escritas para a peça “Carta a uma Filha”, a primeira encenação de Manuel Cintra do dramaturgo Arnold Wesker datada de 1996 no Teatro Nacional D. Maria II. A banda e a equipa que acompanha o músico foram apresentadas antes do último tema da noite, o tema-título de “Quarto Minguante” (cuja presença se reduziu a dois temas). No entanto, a lua no Teatro Tivoli BBVA já estava bem cheia. E bonita. Mas havia espaço para algo mais.

O encore começou ao som de ‘Do Pobre B.B.’(de “Jorge Palma”), texto que Palma musicou para a peça de teatro “Aos Que Nasceram Depois de Nós” (1998) dirigida cenicamente por Jorge Silva Melo e musicalmente por Jorge Palma, algo que lhe deu “imenso imenso prazer” fazer. Já o prazer do público estava difícil de conter ou disfarçar. ‘Espécie de Vampiro’, tema que a par de ‘Dormia Tão Sossegada’, têm na sua versão original a guitarra de Zé Pedro, o fundador dos Xutos & Pontapés (que se preparam para “roubar” o palco do Teatro Tivoli BBVA para comemorar os 35 anos do álbum “Circo de Feras”), despertou quem estivesse pouco desperto. Seguiu-se ‘Frágil’ e uma salva de palmas como poucas vezes se vêem. Tal não foi o resultado apenas do extraordinário concerto que se estava a presenciar mas sim de quatro noites únicas e ímpares na história da música portuguesa e de cinquenta anos de uma carreira singular. ‘Dá-me Lume’ encerrou as hostilidades, com a plateia toda de pé e a cantar a música do princípio ao fim.

Concerto de Jorge Palma Antologia IV, Teatro Tivoli, em Lisboa. FOTO TM

Adivinhe-se: o público não arredou pé e Jorge Palma foi ‘forçado’ a voltar a palco, embora fosse ele o que tivesse mais vontade de ali voltar. E foi ao som da versão de ‘Beijos e Papas de Leite’ que a noite finalizou.

Alinhamento:

  1. The Nine Billion Names of God
  2. Tempo dos Assassinos
  3. Dormia Tão Sossegada
  4. A Escola
  5. Só Mais Uma História
  6. Uma Vez
  7. Eternamente Tu
  8. Quem és tu, de novo?
  9. Duas Amigas
  10. Bairro do Amor
  11. Passos em Volta
  12. Boletim Meteorológico
  13. Trapézio
  14. Disse Fêmea
  15. Olhos de Catarina
  16. Minha Senhora da Solidão
  17. Quarto Minguante
  18. Do Pobre B.B.
  19. Espécie de Vampiro
  20. Frágil
  21. Dá-me Lume
  22. Beijos e Papas de Leite

A Antologia aproxima-se do fim, despedindo-se do Teatro Tivoli BBVA no próximo dia 8 com a apresentação de “Norte” (2004), “Voo Nocturno” (2007) e “Com Todo o Respeito” (2011), numa viagem que termina ao som do Palma’s Gang nos dias 19 e 20 de Novembro no Cineteatro Capitólio.

TEXTO: Diogo Santos

FOTOS: TM

Menu

Bem-Vindo(a)!