A celebração de Emir Kusturica e o agradecimento sentido dos Bush – o 1°dia de North Music Fest

O Festival começou a bom ritmo com os emblemáticos Expensive Soul e terminou com o vocalista dos Bush no meio da multidão
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

A Alfândega do Porto recebeu pelo segundo ano consecutivo o North Music Fest. Festa animada, bandas de culto e uma vista de sonho faziam antever um belíssimo primeiro dia que não decepcionou em nenhum sentido.

Pouco depois das 20h, já com uma casa a compondo-se para uma enchente de Bush, os cabeça de cartaz desse dia, a banda de Leça da Palmeira, Expensive Soul, jogavam em casa e aproveitaram esse factor da melhor forma.

© Nuno Machado

Expensive Soul é sinónimo de festa, boa disposição e irreverência. Pois, não faltou nenhuma destas qualidades ao concerto. Demo e New Max celebram este ano 20 anos de carreira, transportam nostalgia nas suas canções mais adultas e dão uma nova energia pop nos temas mais recentes. Sem medo de lançarem um ou outro palavrão, eles estavam ali para curtir um concerto que era de todos.

Fora os dois vocalistas, a festa também estava do lado dos 11 acompanhantes que dividiam os instrumentos e segundas vozes e se empenharam em agitar o público naquela mais de uma hora de concerto.

© Nuno Machado

Temas como “Dou-te nada”, “Que saudade”, “Fala disso” e “Amor é Mágico” foram os mais entoados da noite. À medida que o sol baixava, mais pessoas chegavam ao recinto e aproveitavam para dançar as últimas músicas da banda do Norte.

© Nuno Machado

Expensive Soul – galeria completa

 

A segunda banda da noite, Emir Kusturica e a sua orquestra traziam festa nos instrumentos e nos pulmões. Um homem com anos disto sabe como entusiasmar e isso, passado uns minutos de espetáculo, tornou-se rapidamente perceptível.

Música do mundo, influententemente do leste europeu, Portugal e o Porto foram casa própria tanto pelos efusivos aplausos, como pela bandeira Sérvia que estava presente no meio da multidão.

© Nuno Machado

Emir Kusturica aproveitava os intervalos das suas músicas Gipsy, para lançar uma piada e relativa boa disposição. Forçosamente, os violinos e restantes instrumentos de cordas ganham destaque numa sonoridade que quer colocar dança no corpo (mesmo dos mais introvertidos)

Entre as sonoridades do genérico da Pantera Cor de Rosa e as típicas músicas gipsy na vertente mais punk, esta foi uma banda que preparou bem os fãs de Bush para o fim de noite que estava a chegar.

© Nuno Machado

Quanto ao palco secundário, esteve a bom ritmo tanto antes como depois do concerto de Emir Kusturica. Antes encontrou os Murmur, uma vertente pop rock, encabeçada pela voz tenra da conhecida atriz Sandra Celas. Depois, espaço para uma a incredulidade garage dos Skills & The Bunny Crew, que fizeram abanar muitas cabeças com o seu estilo rockeiro.

Emir Kusturica – galeria completa

 

Por fim, o palco principal recebia aqueles que todos esperavam: os incontornáveis Bush. Provavelmente o mesmo público que, sensivelmente há um ano, viveu a experiência de Guano Apes estava ali a recordar mais uma super banda dos anos 90.

Com a lotação praticamente lotada, os Bush sentiam-se à vontade para ir mais além daquilo que o público já esperava, de antemão. Conduzido por um jovem vocalista de 53 anos, Gavin Rossdale, os Bush deixaram o estilo mais ‘badalónico’ e comercial de “Inflatable” e enfrentaram-se num rock vestido da sua maior essência.

© Nuno Machado

“Isto é lindo visto aqui de cima”, explicava Rossdale enquanto mirava ao fundo o Douro e dislumbrava os saltos e ecos apoteóticos a cada música da banda londrina formada em 1992.

© Nuno Machado

Em “This is War”, um dos temas mais acutilantes dos Bush, tempo para o momento da noite: Rossdale saltou para o meio do público e durante cinco minutos, entre apertos, abraços e gritaria, cantou aquela música do início ao fim sem qualquer falha. 53 anos? Só no bilhete de identidade.

© Nuno Machado

Muitos foram os aplausos e ovações a uma banda que viveu uma hora e meia sorridente, como se voltassem ali mesmo aqueles frenéticos anos 90. O Porto adorou e quer vê-los novamente muito em breve.

Bush – galeria completa

OUTRAS NOTÍCIAS

NOVAiDS White-01