Nelson Mandela Music Tribute – Dia 1

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Nelson Mandela sempre foi uma inspiração nas várias áreas de atuação. A música, à semelhança do que vai acontecendo pelo mundo fora, é a melhor forma de homenagear. A Praia do Aterro em Leça da Palmeira foi o palco escolhido, e não desiludiu.

A Praia do Aterro já faz parte do Circuito Nacional de Palcos para Festivais. O EDP Beach Party torna-se o principal evento que aqui se realiza, mas esta realidade está prestes a mudar.

Comecemos pelas excelentes condições para a realização deste tipo de eventos. Depois passamos para a localização e as vistas para a imensidão azul do oceano Atlântico. Por fim, as gentes de Matosinhos sabem acolher os visitantes. O primeiro dia reuniu nomes como Martin Garrix, Kaiser Chiefs, Bob Geldof, Pablo Alborán, Calema e Cecília Krull. Se maior parte do público foi ao Aterro para ver Kaiser Chiefs, a grande surpresa começou com o Sir Bob Geldof.

Esquecido no grande palco radiofónico, o britânico que se eternizou com a sua prestação no filme The Wall (dos Pink Floyd) mostrou a força do rock que ainda lhe corre nas veias.

© Ivo Aguiar Carvalho

Terá sido este o tema que marcou a sua prestação durante a noite de ontem. “I Don’t Like Mondays” é talvez a sua música mais conhecida. Tantos quantos voltavam as costas ao palco com a sua aparição, dedicaram-lhe o merecido tempo, revelando e reconhecendo-lhe o devido mérito. Aquele que parecia ser o intervalo entre Pablo Alborán e Kaiser Chiefs, rapidamente cancelou os planos de descanso aos visitantes que encheram meio recinto.

Certo é que muitos temas que foram apresentados na Praia do Aterro são do conhecimento do público, apenas por não ser um nome badalado não são de fácil e direta identificação. Geldof, além de se desfazer em memórias e em elogios a Nelson Mandela, parece ter-se esquecido que já esteve no Porto na década de 80. Na altura com os Boomtown Rats, banda que liderou, deu um concerto no Infante de Sagres. Contudo, agradeceu a todos quantos o receberam “pela primeira vez” nesta cidade!

© Ivo Aguiar Carvalho

Bob Geldof – galeria completa AQUI

Os Kaiser Chiefs foram, sem dúvida, uma verdadeira revelação. Com uma forte presença comercial, os também britânicos encarnaram uma postura demoníaca enquanto em palco. Sempre voltados para o público, fizeram as delícias dos mais novos (não necessariamente apenas os novos…).

Fortes e pujantes, saltaram e representaram com distinção a mensagem de Nelson Mandela. Uns verdadeiros monstros de palco não pararam até terminarem o espetáculo.

© Ivo Aguiar Carvalho

Kaiser Chiefs – galeria completa AQUI

Pablo Alborán não foi o último a atuar, mas foi o que mais roubou os corações. Não com a mensagem de igualdade caraterística de Nelson Mandela, mas com o ardor do romantismo espanhol.

“Perdoname” foi … delirante. Com as mais novas a “arrancar os cabelos”, Pablo Alborán conquistou outras fãs (e outros também, estamos certos). Muito próprio no seu estilo, o espanhol foi o responsável por aquecer os corações dos que iam sentindo algum frio nesta noite (pouco quente) de verão.

© Ivo Aguiar Carvalho

Pablo Alborán – galeria completa AQUI

O dia de hoje, o segundo do festival, reserva-nos um alinhamento menos mediático, mas ainda assim poderão assistir aos concertos de Jimmy P, Gabriel O Pensador e Wyclef Jean.

OUTRAS REPORTAGENS