O Porto ficou elétrico com o caos e a calma de James Bay

Primeiro concerto em nome próprio do britânico quase rebentava com as paredes do Hardclub. James Bay volta a atuar este sábado, para abrir o concerto de Ed Sheeran no Estádio da Luz.
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Esperava-se um mar de gente no Hardclub na passada sexta-feira. Esperava-se barulho, mas continuava a existir muita curiosidade para o concerto de James Bay. O cantor britânico passou pelo Marés Vivas em 2018, mas foi a primeira vez em Portugal sozinho.

Às 21h em ponto, sem tirar nem pôr, James Bay subia a palco, para um enorme coro de aplausos e gritos. Abriu o concerto com um single de “Electric Light”, e parecia não haver uma única pessoa que desconhecesse a letra.

© Hélio Carvalho

Foi esse o mote para o resto do concerto. Muito, muitos gritos. Em cada pausa e em cada nova música. Não houve um momento calado durante perto de hora e meia, em que tanto ia buscar músicas aos novos trabalhos como ao seu álbum de estreia, “Chaos And The Calm”.

É bem sabido que James Bay não é para todos. Aqueles que estão à procura de algo mais pesado ou intenso, não o vão encontrar aqui. No entanto, é inegável a energia contagiante do britânico e a forma como este agarra no público e o manuseia ao longo do espetáculo. Não é transcendente, mas é poderoso.

© Hélio Carvalho

A certo ponto, James Bay manda a banda descansar e fica sozinho com a sua guitarra, e aborda músicas do recente EP. É um regresso às origens do artista, que passou de uma sonoridade mais calma e à base da balada sentimental em “Chaos And The Calm”, para ritmos mais energéticos em “Electric Light”. Até o chapéu de abas ficou para trás. O EP, “Oh My Messy Mind” é assim um regresso à calma romântica que caracteriza o seu pop rock e que conquistou tanto público, tão depressa.

O encore chegou depois de “Best Fake Smile”. As palmas e as proclamações de amor não pararam durante alguns minutos, até Bay voltar ao palco, desta vez com a bandeira portuguesa ao ombro. “Quero fazer isto outra e outra e outra vez”, confessa, antes de tocar “Bad” perante uma multidão de telemóveis e lanternas apontadas para o teto do Hardclub.

© Hélio Carvalho

Fechou o concerto com “Hold Back The River”, a sua música mais famosa. O público explode, nem deixa o britânico cantar. Se o som estivesse a 120dB mais alto, o público cantaria a 140dB, tal era a emoção.

No final, a vênia e a despedida. Nas grades, ainda sobraram filas de groupies, à espera que James Bay voltasse. Terão de esperar por sábado e vê-lo antes de Ed Sheeran, no Estádio da Luz.

 

James Bay – Galeria Completa

OUTRAS REPORTAGENS