Se a vida tem um sentido, então devemos inspirar-nos nos New Order – o 2º dia do Vodafone Paredes de Coura

No segundo dia do festival a antiga banda de Joy Division espelhou-nos não têm idade nem prazos de validade. Os Capitão Fausto fecharam em grande num festival que lhes é tudo.
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Segundo dia de Vodafone Paredes de Coura, segunda enchente. E o motivo principal foram os New Order. A banda inglesa há muito que prometia uma nova vinda a Portugal (foi apenas a segunda em mais de 40 anos do conjunto) e fê-lo logo no festival que vai colecionando, ano após ano, as bandas mais icónicas do mundo. Isso fez mais um dia completamente esgotado, para a infelicidade de algum super fã da banda.

Os New Order nasceram das cinzas da mítica banda Joy Division, a banda post-punk mais revolucional dos anos 70, mas depressa adicionaram uma vertente mais dance e eletrónica ao seu rock.

A banda inglesa atuou já de madrugada, para uma enchente que não arredou pé. Tanto que as mãos no ar, os aplausos a darem força aos ritmos mais fortes, e os ecos do público acabaram também por fazer parte do espetáculo. Há qualquer coisa nos New Order que os faz não terem prazo de validade nem perderem qualidade, por muito que os anos passem.

© Igor de Aboim

New Order Galeria Completa

No segundo dia do Vodafone Paredes de Coura, a banda composta por Bernard Sumner, Gillian Gilbert, Stephen Morris, Phil Cunningham e Tom Chapman (já sem Peter Hook) passou praticamente por todos os álbuns. Músicas como Blue Monday ou Templation também não têm idade, e seja um rapaz de 20 ou um super fã de 60, todos cantam à mesma velocidade e com emoção. Um concerto que fica marcado pelo encontro de gerações e pelo aproximar de gerações – que, aliás, é um clássico num festival como o Paredes de Coura.

Depois do concerto dos New Order, ordem também para os Capitão Fausto – eles que já são bons repetentes neste festival. Tomás Wallenstein liderava o quinteto e dizia, música após música, os arrepios que sentia por estar a tocar para uma multidão extensa, e que a banda, também ela, já viveu tempos de festivaleiros. Começaram pela música que os colocou nos hits nacionais Amanhã Tou Melhor, e foram por ali fora: ora tocavam músicas do novo álbum A Invenção do Dia Claro, ora puxavam pelas músicas mais antigas que deixam qualquer plateia em delírio, como Teresa, ou Maneiras Más.

© Igor de Aboim

Capitão Fausto Galeria Completa

Já para o final do concerto, Tomás confessava que estava menos trémulo mas igualmente encantado pela moldura humana, face a um concerto memorável dos cabeça-de-cartaz New Order. A banda terminou com Boa Memória, o último single, quase que lembrando que se há música portuguesa com o ritmo de um Paredes de Coura, os Capitão Fausto ganham obrigatoriamente  esse registo.

Ao início da tarde os destaques vão para a música suavizada mas com carisma dos Alvvays (palco principal) e o pop cool dos Boy Pablo (palco secundário). Ambos atuaram ao final da tarde, registos que lhes assentavam na perfeição – um para pensar na vida, outro para vivê-la.

© Igor de Aboim

Boy Pablo Galeria Completa

No palco principal também estiveram os Car Seat Headrest. A banda norte-americana aguçou o apetite daqueles que esperavam pacientemente pelos New Order. Os temas virados para o indie-rock conseguiram cativar o público durante uma hora, onde o jogo de luzes esteve sempre a favor do quarteto. A música “It Doesn’t Have to Be Like Us foi uma das mais entoadas em toda a noite! A começar o dia no palco principal estiveram os Khruangbin com o seu soul virtuoso, óptimo para os primeiros que se sentaram para assistir a um grande dia de concertos.

© Igor de Aboim

Car Seat Headrest Galeria Completa

O palco secundário começou com o punk dos caldenses Cave Story. A seguir foi Stella Donelly, recém confirmada para o festival, atuou pela primeira vez para uma casa que se ia compondo. Depois de Boy Pablo, foi Avi Buffalo (que também foi o convidado de honra para o Vodafone Music Sessions), que entregou uma hora e pouco de grandes guitarradas e um rock  com muito carisma.

© Igor de Aboim

Avi Buffalo Galeria Completa

Para o after hours os Acid Arabic e os Krystal Klear rebentaram a noite até de madrugada.

O dia de 16 de agosto não será tão depressa esquecido nesta 27ª edição do Vodafone Paredes de Coura.

OUTRAS REPORTAGENS