GABINETE DE IMPRENSA

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

The Catenary Wires editam Til The Morning dia 14 de Junho

The Catenary Wires são Rob Pursey e Amelia Fletcher. Especialistas em duetos indie emotivos, capturam o espírito de Nancy Sinatra e Lee Hazelwood, Serge Gainsbourg e Brigitte Bardot, e lançam-nos numa Inglaterra moderna. As músicas que daí resultam agradam aos fãs de Courtney Barnett e Kurt Vile ou Isobel Campbell e Mark Lanegan. Neste álbum, juntam-se a eles Andy Lewis (Paul Weller Group, Spearmint) no violoncelo, mellotron e percussão, e Fay Hallam (Makin ’Time, Prime Movers) no órgão Hammond e backing vocals. Matthew King (um compositor clássico) toca piano. Nick e Claire Sermon tocam metais. E a zona rural de Kentish oferece o som ambiente.

Sobre TIL THE MORNING

O álbum foi gravado em 2018 na Sunday School, no meio do nada em Kent. É um grande passo em frente comparando com o seu primeiro álbum (Red Red Skies na Elefant Records/ Matinee Recordings): mais complexo e sedutor, com um som de várias camadas que reflete uma variedade de instrumentos adicionais, incluindo harmonium, sinos e um velho reboque. Foi produzido por Andy Lewis, que recentemente produziu álbuns para Judy Dyble e French Boutik. Dream Town é o primeiro single do disco que será editado dia 14 de Junho na St. Pancras Old Church em Londres. A banda irá tocar no Reino Unido em Julho, nos EUA em Agosto e na Alemanha ainda este ano.

MATT HAYNES, ex-chefe de Sarah Records, escreve:

Quando um fio é pendurado em dois pontos fixos, a forma que faz é uma catenária. A sua beleza está na sua simplicidade – tão natural, tão sem esforço.

E quando duas pessoas que, depois de brilharem num quarteto de bandas pop lendárias, se tornaram elas próprias lendas pop, decidem deixar a cena independente de Londres para se instalarem num distante canto verdejante de Kent… mas quem então, num dia de inverno, agarram na pequena guitarra da sua filha, só para ver o que acontece… o som que eles fazem é The Catenary Wires, aka Amelia Fletcher e Rob Pursey, anteriormente dos Tender Trap, Marine Research, Heavenly e da proto-riot-grrrl machismo-mocking punk-pop explosão Talulah Gosh.

Longe da cidade, tornas-te mais consciente das estações do ano, das estrelas, da sua pequenez arrepiante no vasto vazio escuro do espaço. Nenhum candeeiro de rua ilumina o teu caminho de volta para casa e para a tua família. Essas coisas podem assustar-te. E os ritmos que ouves não são os de um bombo e baixo, mas da vida ao redor das estradas e campos.

Til The Morning não é música folk, fetichizando o rústico e o passado com noções de autenticidade. As gravações podem ser caseiras numa sala insonorizada, com cada suspiro claro como a respiração numa manhã gelada, e a caixa de um velho reboque de metal batido com um bastão, mas eles são informatizados e polidos para um brilho quente. E quando o canto dos pássaros preenche as falhas, ele vem com reverberação.

Também não é lo-fi, impreciso e sinuoso – por que é duas pessoas que passaram a vida a criar pérolas pop de três minutos de repente iriam fazer isso? As músicas são organizadas porque tudo o que está lá é o que precisa estar, com a maior parte sendo interpretada por Amelia e Rob – mas se algo extra é necessário, há pessoas na vila que vão ajudar: a vizinha Fay Hallam está no órgão, e Nick e Clare Sermon nos metais. (Há também o piano de Matthew King na faixa-título, enquanto o produtor Andy Lewis providencia o violoncelo e percussão.)

Nas bandas anteriores, a precisão inacreditável das letras poderia ser negligenciada no tumulto musical. Agora, a poesia claramente brilha. E assim, em “Sixteen Again” – uma evocação de partir o coração da súbita e inesperada viuvez – a voz de Amelia racha no espaço em torno de uma única corda de guitarra: “It came without warning / No more tomorrow mornings / For you”.

Dito isso, Til The Morning inventa um rico ambiente de câmara a partir de sua instrumentação mínima, música e humor em espiral a partir da claustrofobia introspectiva da sua estreia, “Red Red Skies”, para… aqueles grandes céus negros e estrelas brilhantes e frias. Agora, não são apenas os relacionamentos que são disfuncionais, é o próprio mundo, um mundo pós-Trump, pós-Brexit no qual tens medo pelo futuro dos teus filhos (“I wish that I could stay their hands / As they reach for their bibles / And their rifles”) e as palavras “wedding party” invocam não só confetis, mas ataques aéreos dos EUA.

Tal como Amelia e Rob, as músicas cresceram. Eles são assombrados por um ar de desconforto (“Headlines when we don’t come home / We had good times / Don’t cry that you’re all alone / Cos we’re with you wherever you go”), e a correria eufórica de “I’ll Light Your Way Back” encobre um apelo desesperado: “Find me please – it’s getting late.” A música pop é toda sobre puxar a esperança da letra mais triste ao envolvê-la numa melodia deslumbrante e – sem nenhuma penugem e barulho para compartilhar a carga – as melodias aqui aparecem e derretem e sobem. As vozes de Amelia e Rob são extraordinárias: íntimas, emocionais, complexas e conversacionais, obscurecendo os papéis de apoio e liderança. Rob parece mais seguro de si do que em Red Red Skies, carregando com confiança as músicas; e, como Amélia pulsa num piscar de olhos, de arrepios a suspiros, é difícil acreditar que ela era a chata de vinte anos de idade, cuja banda percorreu o seu caminho a partir de um disco rígido de uma fanzine há um terço de século atrás. E em “Dancing”, há uma lembrança do que – no meio de todas as trevas e corações partidos – a música pop é para: “I don’t want to talk / I just want to see you dancing / Put a record on / Let the music freeze the air”.